A segurança também é responsabilidade da população

A Segurança Pública, hoje é a menina dos olhos dos políticos e a necessidade premente da população

375
Bellagamba tem como grande desafio a integração do sistema de monitoramento, no sentido de criar uma barreira em torno do município

O seguimento da segurança pública tem sido uma das grandes preocupações das autoridades municipais e a menina dos olhos dos políticos em campanha eleitoral. A preocupação é tanta que o governo federal criou o Ministério Extraordinário da Segurança Pública. Em Rio Claro, o homem responsável por essa pasta é o secretário municipal da Segurança, Defesa Civil, Mobilidade Urbana e Sistema Viário, Marco Antonio Melli Bellagamba.
Bellagamba coloca a falta de recursos e a falta de manutenção dos equipamentos como o maior entrave para um melhor desenvolvimento dos serviços na sua área. Confira na sequência entrevista com o secretário.

Diário: A área de segurança hoje é a coqueluche dos políticos brasileiros. Estão todos investindo nesse seguimento para tentar angariar a simpatia do povo. Como o sr. vê essa situação?
Bellagamba: Não considero “coqueluche”, mas sim, uma das áreas de fundamental importância dentro da administração, pois dá suporte para o desenvolvimento das atividades de todas as áreas da administração pública e privada e permite que a população tenha maior qualidade de vida; já as demais áreas da administração pública têm sua importância no contexto, pois, desenvolvendo suas atividades com sucesso, colaboram com a preservação da ordem pública.

Diário: Quais foram as maiores dificuldades encontradas na área de segurança nesse um ano e quatro meses de mandato?
Bellagamba: Sem dúvidas, a falta de recursos. As viaturas estavam obsoletas, armamento e munições com excesso de uso, treinamentos insuficientes, agentes de segurança desmotivados pela ausência de reconhecimento. A falta de investimentos que reflete no desempenho operacional da Guarda Civil Municipal, Defesa Civil, Vigilância Patrimonial e Mobilidade Urbana vem sendo trabalhada com bastante cuidado e estratégia, acarretando em melhorias visíveis, como os números demonstram.

Diário: Qual o balanço desse período?
Bellagamba: Apesar das dificuldades tenho convicção que foi feito um excelente trabalho. A integração da Guarda Civil Municipal com a Polícia Militar e Polícia Civil teve como resultado a diminuição dos indicadores criminais colocando Rio Claro em posição de destaque positivo perante os demais municípios do Estado de São Paulo (fonte SSP/SP). A criação das Centrais Integradas de Segurança e o aumento da produtividade policial foram fatores preponderantes para o sucesso.

Diário: Em relação ao mesmo período da administração passada, houve melhorias?
Bellagamba: Certamente, os números comprovam essa afirmação. As ações determinadas pelo prefeito Juninho voltadas para a “prevenção primária” fizeram a diferença comparadas às ações do governo anterior.
Diário: As redes sociais hoje, são as grandes aliadas e ao mesmo tempo uma enorme inimiga. Como o sr. analisa essa situação?
Bellagamba: Realmente, as redes sociais podem ser aliadas importantes, porém também, mais um grande problema a ser resolvido dentre muitos que nos deparamos diariamente, pois perdemos muito tempo desmentindo informações mentirosas que objetivam aumentar a sensação de insegurança, sem contar aquelas com viés político. Deixo claro que, determinei aos diretores da minha pasta que monitorem as publicações e, constatando mensagens que extrapolem os limites legais, adotaremos as providências necessárias para que os responsáveis pelas publicações sejam responsabilizados criminalmente.

Diário: Dentro da administração municipal, por ser também vice-prefeito, o sr é a pessoa mais próximo ao prefeito. Como o vê a atuação política do Juninho, já que para muitas pessoas e dentro do próprio partido ele não tinha muita credibilidade?
Bellagamba: O Juninho é uma pessoa que tenho uma grande admiração; excelente político, carismático, possui uma vontade enorme de elevar o nome do nosso município e, principalmente, fazer o bem. Administrar uma cidade com mais de 200 mil habitantes não é fácil e essa dificuldade aumenta, pois ao assumirmos a prefeitura encontramos os cofres vazios, as certidões que viabilizam o recebimento de emendas, dentre outras verbas, bloqueadas e a máquina pública deteriorada e com vícios. Estou certo de que o Juninho sabe administrar, e aliado a isso, possui a coragem necessária para enfrentar todos os desafios e motivar aqueles que estão ao seu lado.

Diário: Como vê a atuação da Guarda Civil Municipal dentro da segurança do município?
Bellagamba: Excelentes homens e mulheres, profissionais comprometidos e que, apesar das dificuldades deparadas para o desempenho de suas atividades e, muitas vezes sem o reconhecimento da população, desempenham seu serviço com maestria. Tiveram, juntamente com a PM (Polícia Militar) e a PC (Polícia Civil), participação fundamental para a redução dos indicadores criminais do município. Tenho orgulho em poder auxiliá-los no sucesso de suas metas.

Diário: Onde há espaço para melhorias em sua pasta?
Bellagamba: Estamos superando as dificuldades aos poucos, treinamentos estão acontecendo, vamos receber, em breve, fardamento e novas munições, viaturas estão sendo adquiridas, materiais para pintura de sinalização horizontal estão chegando, assim como semáforos e placas, mas o grande desafio será a integração do sistema de monitoramento do município. Estamos trabalhando arduamente para divulgar esse sistema, promover convênios e criar uma barreira no entorno do município.

Diário: O que a população pode esperar de melhorias?
Bellagamba: A dedicação dos profissionais, aliada às melhorias materiais e operacionais já citadas, contribuirá para a tão esperada sensação de segurança desejada por todos.

“Aproveito para destacar duas campanhas que caminham lado a lado com a cidadania e que colaboram de forma ampla com todas as áreas do setor público e com nossa vida pessoal: a primeira é “Não a inversão de valores”, ou seja, não podemos imputar a responsabilidade à prefeitura ou a qualquer outra pessoa, em decorrência da falta de respeito ou inobservância de valores e leis pela população (exemplo, se o radar está em determinado local, obedeça ao limite de velocidade).
A outra diz respeito ao “pertencimento”. A cidade é sua, é minha, é nossa; colabore, faça a sua parte, coloque o lixo nos dias certos, não danifique as luzes dos postes etc. Certamente esses pequenos gestos colaborarão para deixar nossa cidade mais limpa e segura”, finalizou Bellagamba.

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA