Rio Claro compra leitos no Hospital Santa Filomena

Com o objetivo de agilizar o atendimento de pacientes que aguardavam vaga para internação pelo SUS (Sistema Público de Saúde), a prefeitura de Rio Claro, por meio da Fundação de Saúde, comprou 11 leitos no Hospital Santa Filomena. São dez leitos de enfermaria e um de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). “Diante do aumento da demanda por internação a prefeitura buscou alternativas para suprir a necessidade e atender os pacientes”, comenta o prefeito João Teixeira Junior, o Juninho da Padaria.

A medida foi tomada em caráter emergencial para atender pacientes que estavam internados há vários dias nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA) da Avenida 29 e do Cervezão e no Pronto-Socorro Municipal Integrado (PSMI), à espera de vaga no hospital credenciado pelo SUS no município. “A decisão tem como objetivo salvar vidas e garantir maior agilidade na transferência de pacientes que precisam de internação”, explica o secretário municipal de Saúde, Djair Claudio Francisco.

Todos os 11 leitos comprados no Santa Filomena já estão ocupados. Na UTI foi internado um paciente de 39 anos vítima de infarto do miocárdio. Os outros leitos de emergência estão com dois pacientes com pneumonia, um paciente com necessidade de amputação de hálux por diabetes, três pacientes com histórico de hemorragia digestiva alta, um paciente com hipertensão arterial e diabetes descompensada.

Também foi transferido da rede municipal para o Santa Filomena um paciente com quadro de lesão pulmonar por trauma e outro com quadro de cólica renal intensa. Este último foi transferido para realização de exames específicos e resolução de seu problema renal. O último leito está ocupado por um paciente de Santa Gertrudes, município que faz parte da microrregião atendida por Rio Claro, que apresenta quadro de pneumonia e insuficiência cardíaca.

Além da compra dos 11 leitos, a prefeitura continua trabalhando para criar mais 48 leitos de internação em prédio da Associação Casa de Saúde Bezerra de Menezes, no Bairro do Estádio. A iniciativa conta com apoio de membros do Movimento Pró-Hospital Público Regional de Rio Claro que em breve farão visita ao imóvel com o prefeito Juninho da Padaria. “Temos sinal positivo do governo estadual para criação do hospital de apoio e ampliação do número de leitos sem perder o foco no hospital público regional pleiteado pela sociedade”, conclui Juninho.

Saiba como se proteger do aumento das dores nos dias frios

A cidade de São Paulo já começou a sentir a queda de temperatura com a chegada do outono. Segundo os meteorologistas, a tarde de 04 de junho foi a mais fria do ano na capital em 2018, mas as temperaturas devem cair ainda mais com a chegada do inverno, em 21 de junho. Especialistas apontam que teremos uma estação mais fria do que no ano passado em decorrência do La Niña, fenômeno de resfriamento da superfície do Oceano Pacífico. 

Com a baixa nos termômetros, há um aumento no número de pessoas com queixas de dores articulares, popularmente conhecidas como dores nas juntas e reumatismo. Isso acontece especialmente entre a população que vive no Sul e no Sudeste do Brasil devido ao inverno mais rigoroso. O incômodo pode acometer principalmente indivíduos com problemas reumáticos, mas ninguém está livre de passar por este desconforto.

O coordenador do Instituto de Reumatologia do Hospital Santa Paula, Jayme Fogagnolo Cobra, explica que existem poucos estudos sobre o assunto na literatura médica, mas supõe-se que isso se deve a uma conjunção de fatores:

– O organismo, quando submetido a baixas temperaturas, sofre constrição vascular periférica, ou seja, a circulação do sangue fica mais concentrada nas regiões internas do corpo como coração, pulmões, rins e cérebro e circula menos nas regiões periféricas como pele e musculatura.

– Existem terminações nervosas na pele, articulações, tendões e músculos que são estimuladas pelo frio e geram impulsos que são percebidos pelo cérebro como dor.

– Para reagir ao frio, os músculos tendem a contrair-se para produzir calor, podendo ser mais um fator causador de dor, principalmente em algumas pessoas que já sofrem de algumas doenças reumatológicas que envolvem inflamações das enteses, que é o ponto onde os tendões se unem aos ossos.

– Alguns estudos demonstraram que o líquido sinovial, aquele encontrado dentro das articulações que tem função de alimentar e “lubrificar” as superfícies articulares, torna-se mais espesso sob baixas temperaturas.

– Outro fator importante é que no inverno há uma tendência que as pessoas pratiquem menos exercícios. A imobilidade pode aumentar a sensação de dor. Nas pessoas com doenças inflamatórias como artrite reumatoide e espondiloartrites pode haver aumento de dor e rigidez das articulações.

 Veja abaixo as dicas do reumatologista para aliviar a dor nos meses mais frios:

1 – Procure proteger-se do frio. Agasalhe-se, mantenha o corpo e as extremidades aquecidas, principalmente mãos e pés com luvas e meias grossas.

2 – Sempre que possível, procure permanecer em locais aquecidos tanto em casa como no trabalho.

3 – Dormir aquecido é fundamental. Se possível, utilize aquecedor no ambiente.

4 – Pratique atividade física mesmo no frio. Existem equipamentos esportivos específicos que permitem a prática segura e confortável de exercícios ao ar livre até nos invernos mais rigorosos. Atividades de baixo impacto, como caminhadas, também promovem aquecimento e ajudam a manter a lubrificação adequada das articulações, reforçando os músculos.

5 – Mantenha uma rotina diária de alongamentos para manter o tônus, a flexibilidade e a amplitude dos movimentos.

6 – Se a dor estiver muito forte, faça uso de bolsas térmicas nas áreas doloridas. O calor descontrai os músculos, tendões e ligamentos e aliviam a pressão sobre as articulações, favorecendo a circulação sanguínea.

“Normalmente, para pessoas que não possuem doenças reumatológicas essas medidas são suficientes para anular as sensações dolorosas. Se a dor persistir, o recomendado é procurar um reumatologista. Para quem faz tratamento de alguma doença inflamatória ou autoimune como artrite reumatoide, espondiloartrites, psoríase, lúpus eritematoso sistêmico, esclerose sistêmica, doença mista do tecido e outras, podem ser necessárias medidas medicamentosas para aliviar os sinais e sintomas agravados pelo frio”, explica o especialista.

 Doenças reumáticas

As doenças reumáticas representam um conjunto de diferentes patologias que acometem os ossos, as articulações, cartilagens, músculos, tendões e ligamentos. Elas também podem comprometer outras partes e funções do corpo humano, como rins, coração, pulmões, olhos, intestino e até a pele.

Existe mais de uma centena de doenças reumáticas. As mais comuns são osteoartrite – também conhecida como artrose – fibromialgia, osteoporose, lupus, artrite reumatoide e outras doenças inflamatórias como as espondiloartropatias soro negativas. 

“A principal queixa das pessoas que chegam ao reumatologista é dor nas articulações. Em muitos casos, nas fases iniciais das doenças, as pessoas tentam tratar as crises de dor por conta própria, procuram um pronto-socorro ou outras especialidades para amenizar a dor e não prosseguem numa investigação da real causa por trás dessas crises. Quando o paciente chega ao reumatologista, a doença já pode estar mais avançada, tornando mais difícil e prolongado o tratamento”, afirma Jayme.

O médico reforça que é preciso aumentar a conscientização das pessoas sobre o universo das doenças reumáticas. Com informação, as pessoas tendem a procurar ajuda mais precocemente e diagnosticar as doenças nas fases mais iniciais, quando ainda não há sequelas, iniciando, portanto, o tratamento no momento certo, o que é um dos fatores determinantes para a eficácia na maioria dos casos.

Chegada do inverno aumenta riscos de gripe H1N1

O inverno começa oficialmente às 7h07 dessa quinta-feira, dia 21 de junho. E com ele aumentam consideravelmente os riscos de contaminação pelo vírus influenza e suas variantes. O meio mais eficaz de se prevenir contra a doença é tomando a vacina, que está disponível nas unidades de saúde do município.

A campanha nacional de vacinação contra a gripe, que terminaria em 15 de junho, foi prorrogada novamente pelo Ministério da Saúde. A orientação é que os municípios continuem vacinando as pessoas que pertencem aos grupos prioritários.  A partir do dia 25 de junho também poderão ser vacinadas crianças entre 5 e 9 anos e adultos entre 50 e 59 anos.

O setor de infectologia da Fundação Municipal de Saúde explica que o vírus da gripe, inclusive o H1N1, circula no ar, sobretudo em dias mais secos e frios, daí a importância de as pessoas que pertencem aos grupos prioritários se vacinarem.

Desde o início da campanha até quinta-feira (14), 31.100 pessoas tinham sido vacinadas contra a gripe em Rio Claro. O município teria que vacinar pelo menos 42 mil pessoas pertencentes aos grupos prioritários para receberem a vacina, conforme determinação do Ministério da Saúde. No entanto, a baixa procura pela vacina por parte de gestantes e crianças de seis meses a quatro anos preocupa as autoridades de saúde. Das 10.140 crianças nessa faixa etária que devem ser vacinadas em Rio Claro, apenas 4.309 receberam a vacina, o que representa pouco mais de 42% do total. Entre as gestantes, das 1.801 que deveriam ser vacinadas, 833 procuraram os postos de vacinação no município.

Entre os trabalhadores da saúde, ao todo foram vacinadas 5.525 pessoas. Grande adesão também foi entre as puérperas. Para estas, a Vigilância Epidemiológica de Rio Claro conseguiu atingir 100% da meta. Entre idosos e professores, cerca de 75% foram vacinados.

Os grupos prioritários são formados por crianças de seis meses a cinco anos, pessoas com 60 anos ou mais, gestantes, mães com até 45 dias após o parto, profissionais da saúde, professores das redes pública e particular de ensino, população indígena, portadores de comorbidades, funcionários do sistema prisional e pessoas privadas de liberdade, como adolescentes internados em instituições socioeducativas.

Os horários de vacinação são de segunda a quinta-feira das 7h30 às 15h30 e de sexta-feira das 7h30 às 13h30 (USF) e de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 15h30 (UBS). A lista com endereços e telefones das unidades de saúde pode ser consultada no site www.saude-rioclaro.org.br.

 

Ações para combater a violência contra o idoso precisam ser permanentes

A população idosa no país ultrapassou 30 milhões de pessoas em 2017, segundo Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – Características dos Moradores e Domicílios, do IBGE (30,2 milhões de idosos).

O problema é que nem todos que chegam na velhice conseguem viver com a dignidade que merecem recebendo todos os serviços necessários. A situação se agrava quando além de todas as dificuldades, acabam sofrendo violência de diversas formas, como esclarece o Ministério da Saúde alerta

Física: é todo ato violento com uso da força física de forma intencional, não acidental, praticada com o objetivo de ferir ou lesar uma pessoa, deixando ou não marcas evidentes em seu corpo e, muitas vezes, provocando a morte. Manifesta-se, de maneira geral, mediante empurrões, beliscões, tapas, socos ou com o uso de armas.

Negligência/abandono: negligência é a omissão por familiares ou instituições responsáveis pelos cuidados básicos para o desenvolvimento físico, emocional e social do idoso, tais como privação de medicamentos, descuido com a higiene e saúde, ausência de proteção contra o frio e o calor. O abandono é uma forma extrema de negligência.

Sexual: é qualquer ação na qual uma pessoa, fazendo uso de poder, força física, coerção, intimidação ou influência psicológica, obriga outra pessoa, de qualquer sexo, a ter, presenciar ou participar, de alguma maneira, de interações sexuais contra a sua vontade.

Econômico-financeira e patrimonial: consiste no usufruto impróprio ou ilegal dos bens dos idosos, e no uso não consentido por eles de seus recursos financeiros e patrimoniais.

Autoagressão: refere-se à conduta da pessoa idosa que ameaça sua própria saúde ou segurança, como, por exemplo, agressões contra si próprio(a), as automutilações, os suicídios e tentativas de suicídio.

Autonegligência: manifesta-se por meio da recusa de prover a si mesma dos cuidados básicos necessários à sua saúde. Nesse caso, não se trata de terceiros que provocam a violência, e sim da própria pessoa, [muitas vezes como resposta a outras formas de violência].

Psicológica: corresponde a qualquer forma de menosprezo, desprezo, preconceito e discriminação, incluindo agressões verbais ou gestuais, com o objetivo de aterrorizar, humilhar, restringir a liberdade ou isolar a pessoa idosa do convívio social. Pode resultar em tristeza, isolamento, solidão, sofrimento mental e depressão.

Alerta:

A orientação do Ministério da Saúde é que se houver a suspeita da agressão, conversar com o idoso e, se confirmada a situação de violência ou persistir a suspeita, comunicar ao Conselho do Idoso, Ministério Público ou Delegacia de Polícia. Esses órgãos são os responsáveis por desencadear as medidas protetivas e de responsabilização. Nos serviços de saúde será realizada a notificação compulsória da violência e acionada a rede de atenção e proteção para o acompanhamento do caso.

No caso do idoso vítima da violência, o indicado é falar sobre o assunto com uma pessoa em que confie e pedir ajuda. É importante que os profissionais, familiares e cuidadores fiquem atentos à violência contra a pessoa idosa, pois nem sempre ela deixa marcas visíveis, ainda que seja constante. Além disso, pode resultar em lesões e traumas que levem à internação hospitalar ou ao óbito.

Dia Mundial de Conscientização sobre Violência contra a Pessoa Idosa

Entre as atividades do dia 15 de junho, data escolhida para alertar sobre o tema, uma roda de conversa foi realizada para os idosos do Abrigo da Velhice São Vicente de Paulo, entidade com mais de 100 anos de existência em Rio Claro.

O objetivo da data, declarada pela Organização das Nações Unidas (ONU) e a Rede Internacional de Prevenção à Violência à Pessoa Idosa é criar uma consciência mundial, social e política, da existência da violência contra a pessoa idosa, além de, ao mesmo tempo, disseminar a ideia de não aceitá-la como normal.

“A violência contra a pessoa idosa deve ser entendida como uma grave violação aos Direitos Humanos, sendo necessário ampliar os esforços para a mobilização das organizações da sociedade civil e de diversos órgãos governamentais para que o tema da violência contra a pessoa idosa tenha a visibilidade pública necessária”, afirma o professor universitário de Saúde Coletiva José Luiz Riani Costa.

Ele acrescenta dizendo que no mundo todo, o dia 15 de Junho é marcado por uma série de eventos e atividades realizadas neste campo, mas a temática da violência contra a pessoa idosa deve envolver ações permanentes, a serem desenvolvidas ao longo de todo ano. “Recomenda-se articulação de diferentes setores do Poder Público e da Sociedade Civil, em rede, para o enfrentamento da violência contra a pessoa idosa”, evidencia Riani.

Os Conselhos Municipais do Idoso devem ser notificados de todos os casos de violência, além da possibilidade de denunciar, anonimamente ou não, pelo Disque 100, um serviço gratuito vinculado à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República.

INFORMATIVO PET: IMPORTÂNCIA DA VACINAÇÃO

Vacinar corretamente é fundamental e evita graves doenças para o seu grande amigo.

Vacinar é, sem dúvida, um dos cuidados mais importante para a vida de seu animal, seja na fase filhote, adulto e também na velhice. Sempre vacine com um médico veterinário.

Começamos a imunização dos filhotes após o exame clínico, o animal deve estar saudável, sem febre ou diarreia, com peso adequado e previamente vermifugado. Se isso não for observado, o organismo pode não responder plenamente à vacinação.

Cães adultos que nunca foram vacinados ou filhotes que já passaram da época de vacinação devem receber 2 doses de vacina múltipla (intervalo de 21 ou 30 dias) e 1 dose de vacina antirrábica. Isso também vale para cães de procedência desconhecida, quando não se tem conhecimento ou certeza sobre o histórico de vacinação.

Vacinas múltipla (V8 ou V10 e antirrábica) são obrigatórias em qualquer esquema de vacinação, mas existem outras vacinas para cães também importantes, são elas:

Tosse dos canis, Giardíase e Leishmaniose Visceral Canina.

No geral, o esquema utilizado para a imunização do filhote de cão (V8 ou V10) é:

  • 45 dias – Múltipla canina
  • 66 – 75 dias – Múltipla Canina
  • 87 – 105 dias – Múltipla Canina
  • Antirrábica – a partir de 4 meses de vida.

Já o protocolo vacinal de filhote de gato iniciasse entre 60 dias, sempre a critério do médico veterinário onde estipulará a melhor imunização, variando entre V3, V4 e V5, nos intervalos de 30 dias. Assim, terminado com a antirrábica de 3 – 4 meses.

Lembre-se: A revacinação de cães e gatos é anual e o médico veterinário é o único profissional habilitado para elaborar um correto programa de vacinação, bem como avaliar as condições do cão, verificando se ele está apto a receber a vacina e administrar a melhor vacina para seu animalzinho

Outras vacinas que devemos fazer em nossos cães:

Traqueobronquite Infecciosa: (“Tosse dos Canis”): causada pela bactéria Bordetella bronchiseptica em cães sadios, a partir de 8 semanas de idade, repetindo uma 2ª dose com intervalo de 2 a 4 semanas. A imunidade se inicia 21 dias após a administração da segunda dose. Recomenda-se a revacinação anual, em dose única.

Giardíase: A vacina contra giardíase deve ser aplicada em cães a partir de 8 semanas de idade com duas doses com intervalo de 21 a 28 dias. Os cães adultos que nunca foram vacinados contra a giardíase deverão receber 2 doses da vacina. A proteção se dará após 15 dias da 2ª dose da vacina. O reforço é anual com apenas 1 dose.

Leishmaniose Visceral Canina: A vacinação contra leishmaniose deve ser aplicada em cães a partir de 4 meses de idade, saudáveis e soronegativos para Leishmaniose Visceral Canina. O protocolo completo deve ser feito com 3 doses, respeitando o intervalo de 21 dias entre cada dose (aplicação). A revacinação é anual, contada a partir da 1ª Dose.

Não existe um programa de vacinação-padrão, apenas o médico veterinário pode recomendar qual o momento ideal da vacinação e contra quais doenças o animal deve ser vacinado.

Colaboração: Dr.Marielle R. Favaro – Médica Veterinária na Clínica Veterinária Entre Patas e Pelos. Rua M-13, 486 – Jd. Independência. Telefones: 3536-4880, 3596-1574 e 98966-5211.

Saúde alerta para prevenção contra o sarampo durante a Copa do Mundo

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo faz um alerta para a importância da vacinação contra o sarampo para quem vai viajar durante a Copa do Mundo na Rússia, que ocorre entre os dias 14 de junho e 15 de julho.

A dose da vacina tríplice viral – que protege contra sarampo, rubéola e caxumba – deve ser tomada preferencialmente 15 dias antes da viagem e é fundamental garantir a proteção, uma vez que a doença está em avanço no continente europeu.

“Os brasileiros que pretendem prestigiar os jogos na Rússia, ou que estiverem nas cidades-sede do evento, devem checar se a carteira de vacinação está em dia e procurar um posto de saúde caso ainda não estejam imunizados”, orienta o coordenador de Controle de Doenças (CCD) da Secretaria, Marcos Boulos.

Além dos viajantes, a vacina também é indicada para crianças com idade entre 1 e 5 anos que ainda não receberam a dose. Também pode ser aplicada em crianças a partir de seis meses, desde que seja programada nova aplicação em conformidade com o calendário estadual de vacinação, com administração da vacina tetraviral (sarampo, rubéola, caxumba e varicela) aos 12 meses e novamente aos 15 meses.

Outros públicos para os quais a imunização também é importante são aqueles que atuam diretamente com atendimento ao público e à área de turismo, como motoristas de táxis e vinculados a aplicativos, funcionários de hotéis e restaurantes, além de profissionais de saúde.

Além da vacinação, é importante reforçar as medidas de higiene pessoal, como cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir, lavar as mãos com frequência com água e sabão, utilizar álcool em gel, não compartilhar copos, talheres e alimentos, evitar levar as mãos à boca ou aos olhos, evitar contato próximo com pessoas doentes.

A imunização não é recomendada para as crianças menores de seis meses, gestantes e indivíduos que apresentem contraindicações médicas. “É recomendável que os pais com crianças com menos de seis meses evitem deslocamento para destinos com grandes eventos, como a Copa”, acrescenta Boulos.

TRANSMISSÃO E SINTOMAS

O sarampo é altamente contagioso e pode ser transmitido por meio de secreções expelidas por meio da fala, tosse e espirro. O vírus fica incubado por um período de 7 a 18 dias e pode resultar em quadros graves, como pneumonia, diarreia e encefalite, levando até mesmo ao óbito.

A população deve permanecer atenta aos quadros de febre e de exantema (manchas avermelhadas na pele) acompanhados de sintomas como tosse, coriza ou olhos avermelhados. Em situações como essa, deve-se buscar avaliação médica imediata e evitar contato com outras pessoas até a confirmação do diagnóstico.

A circulação endêmica do sarampo foi interrompida no Estado de São Paulo em 2000 e o vírus foi eliminado no Brasil em 2016. Casos esporádicos ocorreram eventualmente desde então, relacionados à importação do vírus de várias regiões do mundo onde ainda o controle da doença não foi atingido. Em 2018, por exemplo, SP registra apenas um caso confirmado, importado da Ásia Ocidental.

Na Europa, houve um aumento de 400% em comparação a 2016, segundo informações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

 

Rio Claro retira mais 150 pessoas da fila de espera por cirurgias

A prefeitura de Rio Claro continua trabalhando para diminuir a fila de espera nos atendimentos em saúde. Parceria entre a Fundação Municipal de Saúde e o Hospital Santa Filomena tem ampliado o número de cirurgias eletivas. De janeiro a junho deste ano mais de 150 pacientes que estavam na fila de espera do SUS (Sistema Único de Saúde) realizaram gratuitamente cirurgias, como hérnia, retiradas de útero (histerectomias) e vesícula biliar (colecistectomia), hemorróida, entre outras. Os encaminhamentos são feitos pelo município e a meta é realizar mais 80 cirurgias até o final do mês de julho, totalizando 230 procedimentos cirúrgicos.

A parceria entre o município e hospital privado foi firmada no final do ano passado após a realização de licitação. O pagamento dos serviços prestados é feito pela Fundação de Saúde com base na tabela do SUS para procedimentos cirúrgicos. O bom atendimento e o acolhimento têm sido muito elogiados pelos pacientes que utilizaram o serviço.

Na manhã desta quinta-feira (7), o prefeito João Texeira Junior, o Juninho da Padaria, e o secretário municipal de Saúde, Djair Claudio Francisco, visitaram o Santa Filomena. Acompanhados da diretora do hospital, Adenir Batista Gomes, e da diretora de Enfermagem, Silvana Dias, puderam ver de perto o atendimento prestado e conversar com os pacientes. “Essa união com o Santa Filomena é uma mostra de como o poder público pode contar com aliados importantes para o bem das pessoas que mais precisam”, ressaltou Juninho, que cumprimentou a equipe do hospital pelo bom serviço realizado.

“Já estamos estudando como ampliar essa parceria que tem sido essencial para o atendimento às pessoas que aguardavam na fila”, afirmou Djair Francisco, lembrando que essa é mais uma ação da prefeitura para diminuir a fila de espera por atendimento na rede pública de saúde, a exemplo que tem sido feito no Espaço Mais Saúde, que já atendeu mais de dez mil pessoas.

Todos os procedimentos feitos no hospital são gerenciados pela Central de Regulação da Fundação de Saúde de Rio Claro.

Rio Claro passa a emitir carteira internacional de vacinação

O município de Rio Claro foi autorizado pelo Ministério da Saúde a emitir o Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP). O documento é obrigatório para pessoas que vão viajar a países que exigem comprovação de vacinação contra doenças como a febre amarela.

O CIVP começou a ser emitido pela Vigilância Epidemiológica de Rio Claro na segunda-feira (4), prioritariamente para as pessoas que comprovarem que viajarão ou realizarão conexão em algum dos países que exigem o documento. A lista com os países que exigem o certificado está disponível na internet no site da Organização Mundial de Saúde (OMS), no endereço http://www.who.int/ith/2017-ith-annex1.pdf?ua=1.

“Uma conquista que Rio Claro pleiteava já há muito tempo. Agora as pessoas que precisam viajar, seja a trabalho ou a passeio, não precisarão ir a outras cidades para conseguir o certificado internacional de vacinação”, afirma o prefeito João Teixeira Junior, o Juninho da Padaria.

De acordo com o secretário municipal de Saúde, Djair Francisco, o pedido para que Rio Claro fosse autorizado a emitir o CIVP tramitava desde o ano passado no Ministério da Saúde e foi reforçado pessoalmente ao ministro da Saúde, Gilberto Occhi, em sua visita ao município durante o 32º Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo. “A emissão desse certificado é um direito garantido aos cidadãos que precisam viajar e Rio Claro não contava com esse serviço. Tão logo assumimos a gestão da Fundação Municipal de Saúde demos início ao processo no Ministério da Saúde”, explica Djair.

Essa medida tem como objetivo preservar o atendimento aos moradores de Rio Claro que, de fato, precisam do CIVP, uma vez que o certificado é necessário apenas aos viajantes com destino a países que exigem a comprovação da aplicação da vacina contra a febre amarela.

Para a emissão do Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia – CIVP não será válida a dose fracionada da vacina contra febre amarela. Para que o cidadão possa obter o certificado é necessário seguir os seguintes passos:

1 – Tomar a vacina exigida. O interessado pode obter a vacina gratuitamente em um posto de saúde do SUS ou deve procurar os serviços de vacinação privados credenciados. A vacina contra febre amarela deve ser tomada com antecedência de, no mínimo, dez dias antes da viagem.

2º Passo – Realizar o pré-cadastro no Sispafra. Para agilizar a emissão do certificado, o interessado deve realizar um pré-cadastro no endereço http://www.anvisa.gov.br/viajante, clicar na opção “cadastrar novo” ou no link “cadastro”.

3º Passo – Comparecer à sede da Vigilância Epidemiológica. Em Rio Claro a VE fica na Avenida 24, 1.120, entre as ruas 9 e 10, Santana. O atendimento é feito das 8h30 às 11h30. Para a emissão do CIVP, é imprescindível a presença física do interessado, uma vez que a emissão está condicionada à assinatura do viajante.

4ª Passo – Apresentar na VE a documentação necessária para emissão do CIVP. O interessado deve apresentar o cartão nacional de vacinação, original e cópia do RG e do CPF, nº do cartão SUS, cópia de comprovante de residência em Rio Claro em nome do viajante e comprovante de viagem ao país com exigência do CIVP.  O prazo para a entrega da CIVP é de até cinco dias úteis. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone da Vigilância Epidemiológica, (19) 3532-3793.

Mudança de tempo aumenta procura por hospitais e farmácias

Tosse seca, cansaço e falta de ar são sintomas presentes na vida da pequena Lorena de apenas 4 anos que sofre de bronquite e com a chegada do inverno e tempo seco a situação só se agrava. A mãe da menina, Adriele Karen Albuquerque conta que já precisou correr para o hospital algumas vezes nesse ano. ”Ela já precisou ser levada para o hospital em estado grave mesmo três vezes, só nesse ano, minha filha precisou até de oxigênio”, declara a mãe.

E quando chega o frio a situação só piora para as pessoas em geral e principalmente para quem já apresenta problemas respiratórios. “Da Lorena é um pouco genético também, meu pai tem, meu marido e outros familiares também. Eu já vi meu cunhado ter uma crise muito forte, dá até medo”, diz a dona de casa.

E a procura por atendimento nos hospitais e farmácias teve aumento significativo. “Essa mudança brusca de tempo é até pior que o inverno. Durante o dia esquenta e a noite faz frio, ai afeta mesmo a saúde das pessoas que quando começam a ter sintomas já correm para farmácia”, relata o farmacêutico Marcos Milani Junior.

Ele afirma que o movimento aumentou muito. A procura é por antigripais, antialérgicos, xaropes, soro, pastilhas além de umidificadores e inaladores. Para as crianças um outro item que acaba vendendo mais também são as fraldas.

O farmacêutico orienta os cuidados com auto medicação. Esses citados, no caso não necessitam de receitas médicas. “As pessoas muitas vezes com gripe, pedem injeção e isso não existe, não é autorizado. Caso o paciente esteja com febre, peito carregado, com tosse, orientamos procurar um médico”, salienta Milani.

Em uma outra farmácia da cidade o administrador Matheus Filipe Denatti disse que as vendas já até dobraram. “Começou a mudar o tempo, não tem jeito. É um período crítico para saúde das pessoas que sofrem com alergias e demais problemas respiratórios. A busca por medicamentos liberados ao público, que são os que não precisam de prescrição médica, aumenta mesmo”. Segundo Denatti a expectativa de aumento nas vendas é de até 60%.

MEDICAÇÃO

Aliados aos medicamentos outros cuidados diários devem ser seguidos à risca para prevenir e evitar a corrida para o hospital. Adriele não descuida de todo um ritual para manter a saúde da filha. “Não pode ter mofo, pó, então em primeiro lugar é manter essa limpeza da casa. Deixamos o umidificador ligado, inalação é toda hora além do tratamento com medicação. Dependendo do estado dela tem que entrar com antibiótico”, afirma a mãe.

A pequena Beatriz Ribeiro Lustosa de 3 anos tem sinusite crônica e segundo a mãe Michele Cristina Ribeiro Lustosa, a filha pega gripe com facilidade e tudo se complica com a mudança climática. A criança sofre com as alergias. “Tem alergia de pó, pelo, quase tudo relacionado, muda o tempo ela já fica ruim”, diz a mãe que acrescenta que procura levar mais na pediatra do que pronto-socorro. “Levo se estiver com muita necessidade, pois nesse período é muita aglomeração mesmo. Medicamento acaba tomando se apresentar crise, não tem jeito. Inalação faz sempre, soro no nariz toda hora, são muitos os cuidados”, diz Michele que

Vacinação

Por fazer parte de um dos grupos de risco a Lorena de 4 anos já se imunizou contra a gripe. A mãe Adriele diz que a menina recebe a vacina todos os anos. “Com tudo que ela passa o melhor é prevenir”, afirma Adriele.

A vacinação contra gripe foi prorrogada em todo o país. A meta do Ministério da Saúde é vacinar 54,4 milhões de pessoas até o final da campanha.

Até 28 de maio foram vacinadas 35,6 milhões de pessoas. Este total considera todo o público estimado, englobando pessoas privadas de liberdade – o que inclui adolescentes e jovens de 12 a 21 anos em medidas socioeducativas –, funcionários do sistema prisional e pessoas com comorbidades. Dessas, 28,8 milhões são idosos a partir de 60 anos, crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores de saúde, professores das redes pública e privada, povos indígenas, gestantes e puérperas (até 45 dias após o parto).

O público com maior cobertura, até o momento é de puérperas, com 78,1%, seguido pelos idosos (75,2%), professores (73,1%) e trabalhadores de saúde (71,6%). Entre os indígenas, a cobertura de vacinação ficou em 63,6% e gestantes 55,1%. O grupo com menor índice de vacinação foram as crianças, entre seis meses e cinco anos, a cobertura é de apenas 49,7%.

Em Rio Claro a última prévia divulgada indicava que 28.906 pessoas foram vacinadas. Todas pertencem aos grupos prioritários, com indicação para receberem a vacina. Esse número representa 66% da meta de vacinação estipulada pelo Ministério da Saúde, que no município é de 44 mil pessoas.

Os horários de vacinação são de segunda a quinta-feira das 07h30 às 15h30 e de sexta-feira das 07h30 às 13h30 (nas USFs) e de segunda a sexta-feira, das 07h30 às 15h30 (nas UBSs).

Campanha de vacinação contra a gripe é prorrogada até 15 de junho

O Ministério da Saúde (MS) anunciou na quarta-feira (29) a prorrogação da campanha nacional de vacinação contra a gripe até o dia 15 de junho. A decisão foi motivada pelos efeitos da paralisação dos caminhoneiros no atendimento em saúde. Inicialmente, o fim da campanha estava previsto para sexta-feira (1°).

Em Rio Claro, a campanha também foi prorrogada até 15 de junho. A Vigilância Epidemiológica foi notificada oficialmente na sexta-feira (1º) sobre a ampliação da campanha. Vale lembrar que a vacina é destinada apenas às pessoas pertencentes aos grupos prioritários, determinados pelo Ministério da Saúde.

A Vigilância Epidemiológica informa ainda que nessa segunda-feira (4) os horários dos postos de vacinação voltaram ao normal e não haverá mais a presença da unidade móvel no Jardim Público. Assim, a vacinação continuará sendo feita normalmente em 18 salas localizadas nas unidades básicas e de saúde da família.

Os horários de vacinação são de segunda a quinta-feira das 07h30 às 15h30 e de sexta-feira das 07h30 às 13h30 (nas USFs) e de segunda a sexta-feira, das 07h30 às 15h30 (nas UBSs). A lista com endereços e telefones das unidades de saúde pode ser consultada no site www.saude-rioclaro.org.br.

A última prévia divulgada na semana passada indicava que em Rio Claro 28.906 pessoas foram vacinadas. Todas pertencem aos grupos prioritários, com indicação para receberem a vacina. Esse número representa 66% da meta de vacinação estipulada pelo Ministério da Saúde, que no município é de 44 mil pessoas.

Os grupos prioritários são formados por crianças de seis meses a cinco anos, pessoas com 60 anos ou mais, gestantes, mães com até 45 dias após o parto, profissionais da saúde, professores das redes pública e particular de ensino, população indígena, portadores de comorbidades, funcionários do sistema prisional e pessoas privadas de liberdade, como adolescentes internados em instituições sócio-educativas.

De acordo com os últimos dados do ministério, a campanha imunizou 35,6 milhões de pessoas em todo o País, o que equivale a 66% do público-alvo. Para atingir a meta de imunizar 54,4 milhões de pessoas, o governo espera, com a prorrogação da campanha, vacinar os 18,8 milhões de brasileiros e brasileiras que ainda não receberam a dose da vacina. De acordo com o Ministério, 100% das 60 milhões de doses de vacina já foram distribuídas aos estados.

Dez alimentos poderosos para a imunidade no inverno

O inverno está chegando e, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), a previsão para este ano está dentro da normalidade, exceto por algumas ondas de frio em determinadas regiões. Com isso, o brasileiro já começa a se preocupar com as doenças mais comuns desta época como resfriados, gripes, alergias, sinusites e outras. Nesta estação, elas são mais comuns em razão da aglomeração de pessoas em ambientes fechados, o que facilita a circulação de vírus e bactérias.

Para auxiliar aqueles que buscam prevenção, a Rede Covabra de Supermercados buscou dicas com a nutricionista Maria Fernanda Kawabata, para ajudar na escolha de alimentos encontrados em supermercados e que ajudam a fortalecer o sistema imune em diferentes aspectos, conheça:

Frutas cítricas: As mais comuns são laranja, acerola, mexerica, limão, kiwi, morango. Famosas pelo alto teor de Vitamina C, antioxidantes, fibras, flavanóides e propriedades antiinflamatórias. No geral ajudam a aumentar a imunidade prevenindo contra o aparecimento de doenças, inclusive câncer e doenças cardiovasculares. Um ponto importante para ressaltar é que a vitamina C é sensível e oxida facilmente com a luz e calor. Então, o ideal é consumir as frutas in natura ou os sucos logo que preparados. Ainda para os sucos, consumi-los com as cascas e bagaços enriquece a bebida em relação aos nutrientes e fibras.

Gengibre: Rico em vitamina C, vitamina B6 e antioxidantes. Possui ação bactericida, antiinflamatória e antisséptica, o que fortalece as defesas do organismo. Uma colher de gengibre ralado duas vezes por dia ou tomar chá de gengibre (2 colheres em um litro de água) durante o dia garantem esses benefícios.

Couve: Muito utilizada em “sucos detox” graças ao seu poder de limpeza no organismo, a couve ajuda a eliminar impurezas, mandando embora o que é ruim. Além de ser um ótimo antiinflamatório, ajudar na cicatrização e renovação das células.

Tomate: Muito comum na mesa do brasileiro, ele possui Licopeno – um antioxidante fundamental para prevenir o câncer e no combate a outros tipos de tumores. Também protege o coração das doenças cardiovasculares.

Vegetais verde-escuros: São eles o brócolis, couve de bruxelas, rúcula, espinafre, chicória e a própria couve. Ricos em ácido fólico, vitamina A, B6 e B12 que possuem um papel importante na maturação das células imunes, ajudando na resistência às infecções. O ácido fólico também é um nutriente que participa da formação de glóbulos brancos, responsáveis pela defesa do organismo

Alho e cebola: Possuem função imunoprotetoras, antiinflamatórias e antioxidantes. Ricos em selênio e zinco que protegem contra o aparecimento de doenças. Um dente de alho contém cerca de 5mg de cálcio, 12mg de potássio e mais de 100 compostos sulfúricos, também responsáveis pelo aumento da imunidade com a multiplicação de células que combatem as infecções. A cebola ainda é rica em quercitina que é um potencializador da função imune, prevenindo doenças virais e alérgicas.

Castanha do Pará: Rica em selênio, poderoso antioxidante no combate aos radicais livres. Consumir uma ou duas por dia é suficiente para suprir as necessidades diárias de selênio.

Omega 3: Conhecida como “gordura boa” está presente no azeite de oliva, óleo de peixe, linhaça, chia, oleaginosas. É um ácido graxo essencial para nosso organismo, pois não é produzido pelo corpo. Ele auxilia na imunidade, na prevenção contra câncer, proteção do coração principalmente pelo aumento do colesterol bom, tem ação antiinflamatória, antioxidante, ajuda na absorção de algumas vitaminas, entre muitos outros benefícios.

Probibóticos: São microorganismos vivos benéficos ao organismo por favorecerem o equilíbrio da microbiota intestinal. Eles afetam de maneira positiva as bactérias já existentes, aumentando a quantia das benéficas e diminuindo as que podem causar doenças. Dessa forma, o uso de probióticos podem ajudar a reforçar o sistema imunológico, prevenir alergias e outras disfunções.

Inhame: Riquíssimo em nutrientes, especialmente minerais como cálcio, ferro, zinco e vitaminas do complexo B e C, atua diretamente na defesa do organismo, tem ação antioxidante, bactericida e ajuda na limpeza de impurezas e toxinas. O Inhame é uma excelente fonte de energia e tem efeito hipoglicemiante, que controla os níveis de açúcar no sangue. Pode ser utilizado em sucos no café da manhã, em jejum, além de sopas, tapioca e até sorvete.

Vale lembrar que, além do consumo regular desses alimentos, é preciso manter uma atividade física constante, reduzir o estresse e adotar hábitos mais saudáveis. Consumir alimentos prejudiciais em excesso também contribui para que a imunidade fique mais frágil.

USF do Progresso tem novo prédio após funcionar 4 anos em local improvisado

Desde fevereiro de 2014 a Unidade de Saúde de Família do Jardim Progresso funcionava em uma casa alugada, que não era adequada para o atendimento. Com a nova sede, inaugurada na manhã de sábado (26), os moradores do bairro e região passam a ter local adequado para consultas médicas, aplicação de vacinas e realização de exames diversos. É o segundo prédio de USF entregue em maio pela prefeitura, que no início do mês inaugurou o do bairro Mãe Preta. Com essas USFs funcionando em prédios próprios, a prefeitura economizará cerca de R$ 80 mil anuais com os alugueis.

A USF “José Carlos da Silva” faz parte do rol de seis obras de unidades que foram abandonadas pela gestão anterior e retomadas no início da gestão do prefeito João Teixeira Junior, o Juninho da Padaria. “É exemplo da seriedade com que tratamos a saúde pública em Rio Claro e da nossa preocupação crescente em melhorar a cada dia o acolhimento e ampliar o alcance da medicina preventiva”, disse Juninho durante a entrega do prédio. “Com as unidades de saúde que estamos entregando, vamos aumentar em mais de 40% esse atendimento à população”, ressaltou.

O secretário municipal de Saúde, Djair Francisco, destacou os investimentos em Saúde feitos pelo governo Juninho. “Nunca a saúde em Rio Claro recebeu tantos investimentos como os que estão sendo feitos nesta gestão”, disse. “Estamos mudando o atendimento de saúde em Rio Claro, e isso passa por valorizar a medicina preventiva”, acrescentou.

O presidente da Câmara Municipal, André Godoy, salientou os avanços da Saúde neste mês de maio. “Está sendo um mês especial, em que o Espaço Mais Saúde chegou à marca de 10 mil pessoas atendidas no Espaço Mais Saúde, duas unidades de saúde foram entregues e conseguimos avançar para que o projeto do hospital municipal tenha início”, enfatizou.

O deputado estadual Aldo Demarchi também elogiou os investimentos feitos na Saúde Municipal e destacou o projeto do hospital municipal. “Acredito que agora, com o sinal verde do governo do estado e a disposição do Hospital Bezerra de Menezes em ceder o espaço que não usa à prefeitura, essa luta ganha novo impulso”, disse Demarchi.

Autora do projeto que dá nome à USF, a partir de uma iniciativa deixada na Câmara pelo ex-vereador Agnelo Mattos, a vereadora Maria do Carmo agradeceu a administração pelo empenho e pelos investimentos na saúde municipal. A vereadora, e cumprimentou os familiares de José Carlos da Silva, que foi motorista no setor de Saúde em Rio Claro.

A enfermeira Luciana Ovídio, responsável técnica pela unidade, coordena uma equipe de 18 profissionais no atendimento a mais de 1.500 famílias cadastradas do Jardim Progresso e bairros adjacentes. “Local adequado para a Unidade de Saúde da Família é essencial para garantir o bom acolhimento”, destacou.

O responsável médico pela USF é o médico generalista Luiz Eduardo Tancredi. O corpo médico também inclui a ginecologista Ana Elisa Dias e a pediatra Ada Bortolotti.

Representando o Conselho Municipal de Saúde, Arnaldo Fiório relembrou o início do Movimento Pró-Hospital, há seis anos. “Recolhemos mais de 20 mil assinaturas, mas a administração anterior não teve a sensibilidade de iniciar esse projeto. Agora, o governo Juninho teve a iniciativa de acolher essa ideia, e agora com trabalho e a união de todos vamos conseguir esse hospital para Rio Claro”, disse.

Também estiveram presentes à solenidade o vice- prefeito e secretário municipal de Segurança, Defesa Civil, Mobilidade Urbana e Sistema Viário, Marco Antonio Bellagamba, a integrante do Conselho Deliberativo do Fundo Social de Solidariedade, Luciana Bellagamba, os vereadores Val Demarchi, Paulo Guedes, Irander Augusto, Julio Lopes de Abreu, Geraldo Voluntário e Adriano Latorre, o presidente do Conselho Municipal de Saúde, Domingos Almeida, o ex-vereador Agnelo Mattos, e integrantes da administração pública municipal.

Medidas simples ajudam a evitar doenças transmitidas por pombos

A imagem do pombo como símbolo da paz conquista a simpatia de várias pessoas, mas traz um problema: muitas acabam por alimentar essas aves, que podem colocar em risco a saúde da população, já que, transmitem várias doenças graves, como salmonelose, criptococose, histoplasmose, ornitose e meningite.

Raramente caçados por outros animais, os pombos tornaram-se um problema urbano. Em Rio Claro, de janeiro a abril deste ano, a Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), realizou 34 visitas atendendo solicitações relativas a pombos, e vários pedidos de orientações.

Entre as medidas para reduzir os riscos referentes a pombos, o CCZ orienta a retirar ninhos e ovos dessas aves, umedecer as fezes dos pombos com desinfetante antes de varrê-las, utilizar luvas e máscara ou pano úmido para cobrir o nariz e a boca ao fazer a limpeza do local onde estão as fezes. Também é importante vedar buracos ou vãos entre paredes, telhados e forros, colocar telas em varandas, janelas, caixas de ar condicionado e outros locais que possam ser utilizados pelos pombos para morar ou fazer ninhos. O CCZ explica ainda que não se deve deixar restos de alimentos que possam servir aos pombos, como ração de cães e gatos, e que é preciso utilizar grampos em beirais para evitar que os pombos pousem, além de sempre manter o lixo corretamente acondicionado em recipientes fechados. E, claro, nunca alimentar os pombos.

De acordo com a Secretaria de Saúde, essas dicas ajudam a controlar a população desses animais no espaço urbano, fazendo com que eles procurem locais mais adequados para viver, com alimentação correta e longe dos perigos das cidades. Um pombo na cidade vive em média quatro anos, enquanto que em seu ambiente natural pode viver até 15 anos. Para orientações sobre o assunto os telefones do Centro de Controle de Zoonoses são 3535-4441 ou 3533-7155.

Prédio no Bairro do Estádio é vistoriado para projeto de hospital municipal

Técnicos da Vigilância Sanitária e engenheiros da Secretaria Municipal de Saúde de Rio Claro estiveram na manhã dessa quarta-feira (23) vistoriando imóvel que poderá abrigar o hospital municipal. Os dados levantados na vistoria serão utilizados para a elaboração de documentação que será enviada ao Departamento Regional de Saúde (DRS-X). O prédio precisa de reforma e adequações.

O imóvel na Avenida 25 com Rua 11, no Bairro do Estádio, tem capacidade para 48 leitos de internação, pertence Associação Casa de Saúde Bezerra de Menezes. O prefeito João Teixeira Junior, o Juninho da Padaria, acompanhou a vistoria e destacou os esforços para que esse antigo desejo da população se torne realidade. “O empenho da administração do hospital Bezerra de Menezes em ceder o espaço para o município, e o sinal verde do governo do estado, são passos importantes para esse projeto, que precisa do envolvimento de toda a comunidade”. O prefeito ressaltou ainda que o governador Márcio França se mostrou sensível à proposta de Rio Claro. “Certamente o apoio do governador é imprescindível para o sucesso desse pleito para acolher com dignidade pacientes em recuperação”, acrescentou.

Além do prefeito, também acompanharam a visita o secretário municipal de Saúde, Djair Francisco, e o diretor do Bezerra de Menezes, Aparecido Chagas do Nascimento. A cessão do imóvel para o município deverá ser formalizada por meio de um projeto de lei a ser votado pela Câmara Municipal. “É um processo com várias etapas, mas a disposição da Associação Bezerra de Menezes mostra que, com a colaboração de todos, esse sonho ficará cada vez mais próximo”, ressaltou o secretário de Saúde.

“Desde o primeiro momento o Bezerra de Menezes se colocou à disposição e estará empenhado nessa parceria com a prefeitura e Governo do Estado, para a implantação do hospital”, enfatizou o Aparecido Chagas.

Em abril, Juninho apresentou ao secretário estadual da Saúde, Marco Antonio Zago, a solicitação para a ampliação em 50% do número de leitos na Casa de Saúde Bezerra de Menezes. O prefeito entregou ofício durante a abertura do 32º Congresso de Secretários Municipais de Saúde. Esse documento, com a liberação dada por Zago, foi encaminhado ao Departamento Regional de Saúde

O pleito de um hospital público no município vem de longa data e um movimento pró-hospital já coletou mais de 20 mil assinaturas. “Começamos a mobilização há seis anos e agora, com essa notícia, estamos muito felizes”, afirma César Borgi, representante do movimento. “Toda ação no sentido de tornar viável esse hospital, com a ampliação de leitos no município, terá todo nosso apoio, pois estamos juntos nessa luta, que é de todos”, acrescenta.

O padre Cândido Mariano, da comissão pró-hospital, também se mostra satisfeito com o andamento do assunto e com o trabalho do prefeito. “Ficamos felizes com essa abertura, pois se vislumbra um atendimento com mais dignidade na saúde. Sabemos que a região precisa de muito mais vagas e vamos continuar nessa luta”, enfatiza.

USF do Jardim Progresso será inaugurada no sábado (26)

A Unidade de Saúde da Família “Dr. Eduardo Reis”, na região dos bairros Mãe Preta e Vila Verde, começou a atender nessa segunda-feira (21), com consultas, exames, sala de vacinação e farmácia, entre outros serviços. Esta é a segunda de um total de seis a serem entregues neste ano pela prefeitura. Sábado (26) será inaugurada a unidade de saúde do Jardim Progresso.

Na inauguração, o prefeito João Teixeira Junior (DEM), o Juninho da Padaria, destacou o atendimento feito pelo Espaço Mais Saúde. “Já ultrapassamos as 10 mil pessoas atendidas. Muitas dessas pessoas já haviam perdido a esperança de ter sua consulta, seu exame, sua cirurgia agendada e realizada”, disse Juninho. O Mais Saúde começou a funcionar em setembro para uma demanda de 37 mil procedimentos encontrados em filas de espera em janeiro de 2017.

O secretário municipal de Saúde, Djair Francisco, ressaltou outros investimentos na saúde. “Com o esforço do prefeito Juninho em priorizar a Saúde, podemos citar também investimentos de mais de R$ 1,9 milhão na modernização do Laboratório Municipal, a maior segurança nas unidades de emergência, as reformas nas unidades de saúde e as seis novas unidades de saúde da família”, afirmou Djair.

Representando o deputado federal Guilherme Mussi, o assessor Augusto Diniz Júnior confirmou a Juninho recursos da ordem de R$ 270 mil, sendo R$ 190 mil para custeio na Atenção Básica e R$ 80 mil para a compra de uma ambulância.

O presidente da Câmara Municipal, vereador André Godoy, ressaltou a priorização da saúde e o empenho do Legislativo em apoiar as ações no setor. “Recursos que a Câmara devolveu ao município e o prefeito vem aplicando em saúde mostram que estamos unidos em prol do bem da população”, disse André.

Usuários da nova USF, previamente cadastrados, poderão fazer consultas médicas, pré-natal, puericultura, exame de papanicolau, receber vacinas, medicações, entre outros atendimentos. Ao todo, 3.500 famílias serão atendidas pela nova USF. Assim como as outras USFs, a do Mãe Preta conta com equipes médica e de enfermagem que farão visitas e atendimentos domiciliares. Em fevereiro, a prefeitura inaugurou a USF “Dr Acácio Jorge”, no bairro Santa Elisa.

Familiares do doutor Eduardo Reis, que dá nome à USF, estiveram presentes à solenidade. A propositura de dar o nome de Eduardo Reis à USF foi do vereador Júlio Lopes.

Dia Internacional da Tireoide

Endocrinologista do Hospital Santa Paula fala sobre os principais sintomas e tratamentos

 

No dia 25 de maio é lembrado o Dia Internacional da Tireoide, uma glândula em formato de borboleta que fica na parte da frente do pescoço e é responsável por produzir hormônios que regulam o organismo e controlar o processo metabólico.

Segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, aproximadamente 10% das mulheres acima de 40 anos e 20% das acima de 60 anos manifestam alguma complicação na glândula. Nos homens, é mais comum desenvolver hipotireoidismo a partir dos 65 anos, mas vale reforçar que pessoas de todas as idades estão sujeitas a desenvolver doenças ligadas à tireoide.

O mau funcionamento da glândula pode causar problemas em órgãos importantes como coração, cérebro, fígado e rins. Dentre as doenças da tiroide estão o hipertireoidismo, hipotireoidismo e o câncer de tireoide. “Para diagnosticar as alterações hormonais da tireoide, exames de sangue devem ser feitos a partir dos sintomas clínicos ou de rotina em pacientes de risco. Já nos casos de aumento do volume do pescoço ou aparecimento de nódulos, o exame mais indicado é um ultrassom de tireoide. Surgindo alguma alteração, um especialista deve ser procurado”, afirma a Dra. Claudia.

A endocrinologista do Hospital Santa Paula, Claudia Liboni, explica cada uma dessas doenças:

Hipertireoidismo: se desenvolve quando há uma produção excessiva dos hormônios da tireoide – T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina). A causa mais comum é a chamada Doença de Graves, que faz com que o sistema imunológico produza anticorpos que estimulam a glândula. O excesso de iodo presente em alguns medicamentos também pode acarretar no hipertireoidismo.

Os principais sintomas, no caso da Doença de Graves, são aumento dos batimentos cardíacos, suor excessivo, tremor de extremidades, perda de peso (mesmo, às vezes, com aumento de apetite), intestino solto, alterações menstruais, fraqueza, queda de cabelo, insônia e ansiedade. Estes podem ser sinais do excesso de hormônios da tireoide. Além disso, a doença pode afetar também globo ocular, levando ao aparecimento de olhos saltados, que doem quando movimentados, ficam vermelhos, lacrimejando e com desconforto quando expostos à luz.

Hipotireoidismo: se desenvolve quando há uma queda na produção dos hormônios da tireoide T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina). Muitas vezes, o hipotireoidismo é causado por uma inflamação conhecida como “Tireoidite de Hashimoto”, relacionada à falta ou ao excesso de iodo na dieta. A doença também ocorre após cirurgia de retirada da tireoide, após tratamento com iodo radioativo ou com radioterapia na região do pescoço.

De acordo com o Instituto da Tireoide, uma em cada 10 mulheres com mais de 65 anos apresenta sinais de hipotireoidismo. São eles: depressão, cansaço, diminuição dos batimentos cardíacos, intestino preso, menstruação irregular, falhas de memória, dores musculares, pele seca, queda de cabelo, ganho de peso (por retenção de líquidos) e aumento de colesterol no sangue. O hipotireoidismo é tratado com reposição hormonal, feita por meio de medicação oral diária.

Câncer de tireoide: o histórico de radiação na região do pescoço e de casos deste tipo de câncer na família são fatores de risco para que se desenvolva o tumor. A grande maioria dos nódulos de tireoide é benigna, mas quando são muito grandes ou estão associados ao aumento dos gânglios linfáticos e/ou à rouquidão, aumenta-se a suspeita de um tumor maligno na tireoide. O tratamento deste tipo de câncer é cirúrgico, pela retirada total da glândula e, em alguns casos, com complementação terapêutica com o iodo radioativo.

Câncer de bexiga: conheça os sinais de alerta

Embora ainda pouco divulgado, o câncer de bexiga está entre os tumores que mais acometem os brasileiros. Segundo estimativas do INCA (Instituto Nacional de Câncer), são estimados 9.480 mil novos casos, sendo que é o sétimo tumor que mais acomete os homens. No mundo, são mais de 430 mil casos atualmente.

O carcinoma de células transicionais é o tipo de tumor mais comum, com mais de 90% dos casos segundo o INCA, e afeta as células do tecido interno da bexiga. De acordo com o Dr. André Fay, Chefe do Serviço de Oncologia do Hospital São Lucas da PUCRS, esse tipo de câncer é mais frequente em homens, sendo que o principal fator de risco é o tabagismo, responsável por 65% dos casos.

“O tabagismo aumenta em três vezes a chance de desenvolver um tumor de bexiga”, comenta o especialista. “Após inaladas, as substâncias químicas presentes no cigarro entram na corrente sanguínea e são filtradas pelos rins. Quando a urina chega à bexiga, alguns componentes químicos do cigarro ainda estão presentes, contribuindo para danificar as células da região”, explica.

O Dr. Fay destaca ainda que os principais sintomas de alerta são sangue e espuma na urina, dor ao urinar e episódios frequentes de infecção urinária. “É importante salientar que os sintomas do câncer de bexiga podem ser confundidos com outras enfermidades menos graves, por isso todos os sinais de alerta não devem ser ignorados e investigados por um especialista” afirma.

Reativando o sistema imune

Segundo o Dr. André Fay, a maior parte dos pacientes é diagnosticada quando a doença já está localmente avançada, o que traz diversas limitações ao tratamento. “Em tumores de bexiga, a média de idade para o diagnóstico é de 70 anos, faixa etária em que o tratamento tradicional com quimioterapia por vezes não é considerado mais uma opção segura, seja pela idade avançada, ou outras condições clínicas associadas” explica. Nesses casos, o tratamento com imunoterápicos vêm se mostrando uma alternativa promissora. Em linhas gerais, essa vertente de tratamento estimula o próprio sistema imunológico do paciente a atacar as células cancerosas.

Para entender melhor o mecanismo de funcionamento da imunoterapia neste tipo de tumor, é importante saber o papel da proteína PD-L1 nessa história: O ligante PD-L1 está presente na superfície das células cancerosas, e seu papel é inibir as células imunes que atacariam as células tumorais. “Imagine que o tumor é um “soldado”, que libera proteínas, ou ligantes, que se encaixam aos receptores dos linfócitos T – que integram o sistema imune – e impedem que eles iniciem um ataque. A ação dos imunoterápicos bloqueia os ligantes da doença. Consequentemente, o sistema imune se vê livre para começar a combater as células cancerosas” explica o Dr. Fay.

A análise da proteína PD-L1 ajuda os especialistas a identificar quais pacientes podem se beneficiar desse tipo de terapia. Estudos clínicos tem demonstrado que a expressão de PD-L1 pelos tumores de bexiga pode estar associado a um maior benefício clínico dos pacientes³. Nesse contexto, especialistas enxergam com otimismo os desafios para o tratamento do câncer de bexiga. “A última década tem sido a mais promissora em avanços para esse tipo de tumor. Estamos observando ganhos que eram impensáveis algumas décadas atrás, com tratamentos que demonstram maior precisão e eficácia relacionada a uma incidência menor de reações adversas, o que é um ganho importante para o bem-estar do paciente” finaliza o especialista.

ESPECIAL: Profissionais da saúde denunciam casos de violência

Situação que afeta todas as regiões do País, a violência contra os profissionais da saúde é uma realidade. São inúmeros os relatos de enfermeiros, médicos e demais profissionais, que já sofreram algum tipo de violência, seja verbal, psicológica e até mesmo física. Pesquisa realizada pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) e pelo Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo (Coren-SP) mostrou que 75% dos médicos e enfermeiros do estado já sofreram algum tipo de violência no ambiente de trabalho. Em primeiro lugar, foram relatados casos de violência verbal, seguidos de agressão psicológica e, por fim, física.
O Diário do Rio Claro foi procurado por médicos e enfermeiros que atuam na saúde do município, que se queixaram de diversas situações que vêm colocando em risco a profissão. Segundo uma enfermeira, que terá sua identidade preservada, a agressão mais frequente são os insultos durante os atendimentos e também as agressões com palavras nas redes sociais. “As pessoas pensam que é normal, mas isso é uma forma de agredir, de denegrir nós profissionais”, desabafou.
De acordo com a profissional, há ainda outros relatos de pessoas que, inconformadas com tempo de espera ou outras situações, xingam e gritam, ofendendo servidores. Uma médica, que também terá a identidade preservada, contou que os casos não são apenas em Rio Claro. “Outro dia um enfermeiro foi atacado com um suporte de soro e teve três costelas quebradas em Santa Bárbara d’Oeste.”
Para a médica, a agressividade por parte de alguns pacientes é o reflexo de um descontentamento com todo o sistema de saúde. “São Paulo ainda é um estado privilegiado, rico, com muito recurso e Rio Claro também, pois tem aparelho de Raio X, por exemplo; muitas cidades não dispõe de um aparelho, mas ainda assim há situações que geram inconformismo, como o tempo de espera e a falta de recursos para medicação. Fazemos hoje uma medicina do século passado nas unidades de saúde.”
E tudo isso, na opinião dessas profissionais, é o resultado da falta de servidores e de investimento nos setores mais simples, como a atenção básica, para evitar que pacientes, que necessitam de acompanhamento de diabetes, pressão, acabem por lotar os pronto-atendimentos. “Hoje, nas UPA recebemos desde paciente que está com uma dor na coluna, querendo medir a pressão, uma pessoa que só quer um atestado, e até mesmo alguém com um início de AVC. É do mais básico ao mais complexo”, avalia a médica.
A enfermeira lembra que muitos do setor de enfermagem lutam com rotinas estafantes, trabalhando em diversos hospitais para complementar a renda, lidando com pessoas que necessitam de atenção e, muitas vezes, sem equipamentos ou recursos. “Muitos vão para a internet para criticar e falar mal, mas como em toda profissão há bons e maus profissionais, entretanto, acredito que na saúde são poucos os que não se importam com o seu ofício. Ninguém entra para trabalhar querendo ‘matar’ alguém, querendo que o paciente fique pior. Estamos ali para ajudar e por isso contamos também com a ajuda desses usuários do serviço”, acrescentou a médica.
A Fundação Municipal de Saúde de Rio Claro informou que a atual administração retomou o Núcleo de Educação em Saúde, que realiza treinamentos e capacita os profissionais para lidar com situações adversas e prevenir gestos de violência. Segundo a Fundação, após o início dos trabalhos do Núcleo, o número de casos de violência diminuiu. “Em todos os casos registrados, são abertas sindicâncias e a pessoa que agrediu é processada na justiça”, informou a Fundação.