Dia nacional de Conservação do Solo

No próximo domingo, 15 de Abril, será comemorado o Dia Nacional de Conservação do Solo. Esta data comemorativa foi promulgada pela Lei Federal nº 7876 de 13/11/1989, com o intuito de estabelecer reflexão sobre a utilização do solo, pensando em técnicas e métodos de melhoria da capacidade produtiva bem como de formas de uso e manejo sustentável deste importante componente terrestre.

Este recurso é considerado fundamental para a vida humana na Terra, dentre elas: produção de alimentos; fornecimento de matéria-prima; fonte de nutrientes para a fauna e flora; armazenamento; escoamento e filtragem de água; reciclagem da matéria orgânica; formação das paisagens.

Dos principais processos de degradação do solo no Brasil, estes em muito, intensificados pela ação antrópica (da humanidade), destacam-se: poluição, desertificação, erosão, lixiviação, laterização, salinização, dentre outros. Dessa forma, as atividades e usos que acarretam estes impactos decorrem sobretudo de construções urbanas, agricultura e pecuária. Estas atividades trazem modificações significativas ao solo, sendo muitas vezes irreversível, pois o processo de constituição e maturação de muitos solos é estimado em centenas de anos.

Assim a intervenção humana, pode acelerar a exploração dos recursos naturais, automaticamente potencializando a degradação do solo, sendo imprescindível, encontrar saídas para proteger este importante recurso, para que em futuro próximo, não ocorra sofrimentos em razão da fome.

Sobre isso, segundo o pesquisador Altir Correa, a urbanização e o crescimento populacional, associado à falta de cuidados e manejo com o solo, pode provocar aumento na busca por alimentos de origem animal, sendo necessário criar políticas de incentivo em longo prazo sobre o assunto, e pensar em investimentos para esta questão do solo.

Diante disto, vem sendo trabalhado a temática do “Conservacionismo do Solo”, apoiando-se em ferramentas/práticas de “manutenção”, “preservação” e “restauração” deste, evidenciando assim que os principais beneficiários na conservação dos solos são exatamente os seres humanos, pois sua manutenção está diretamente relacionada com a nossa sobrevivência.

O ideal é adotar politicas de conservação e restauração do solo permanentemente, tentando mantê-lo em perfeito equilíbrio com suas características físicas, biológicas e químicas, evitando impactos drásticos a este componente, executando programas para sua recuperação e evitando-se ao máximo seu esgotamento.

Prática de queimada em área agrícola para “limpar” os restos da produção anterior, no município de Paraty, Rio de Janeiro, 2012.
Erosão acelerada em área de pastagem na bacia hidrográfica do rio São Pedro, município de Macaé, estado do Rio de Janeiro. Foto: HugoAlves S. Loureiro, 2012.

 

Éder Rodrigo Varussa

Gestor e Educador Ambiental

Especialista em Gerenciamento Ambiental na área de Ecologia Aplicada

Mestre em Geografia – Unesp/Rio Claro/SP,

Doutorando, Diretor do Grupo Permanente de Pesquisa das relações Brasil e Alemanha no interior de São Paulo.

Presidente da Uneamb – Universo da Educação Ambiental

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *