Consertando o “inconsertável”…

150

Por Eduardo Sócrates Bergamaschi

Em sua campanha eleitoral, o atual prefeito de Rio Claro, João Teixeira Junior, repetiu como se fosse um mantra a frase: “Vamos acabar com a Taxa de Iluminação”. E isso o levou à vitória nas últimas eleições.
Hoje, o mesmo vem a público dizendo: “Estamos na iminência de apresentar um projeto para colocar um fim nesta questão. MAIS DO QUE UMA PROMESSA DE CAMPANHA, EU TENHO QUE VER A CIDADE COMO UM TODO (o grifo é meu) e fazer uma cidade diferenciada, trabalhando com muita responsabilidade. Estamos trabalhando um projeto macro que venha a atender aos anseios da população. Temos que elaborar o projeto, sem o projeto fica difícil. Estamos trabalhando nesse projeto internamente. É um projeto complexo. Em breve discutiremos com a sociedade”.
Trocando em miúdos, ele quer dizer o seguinte: Não podemos ficar sem a taxa de iluminação, pois corremos o risco de ficar com a cidade às escuras.
Ou seja, está repetindo aquilo que dizíamos antes das eleições, que a taxa de iluminação não mais poderia ser tirada, com o risco da cidade ficar às escuras.
O ser humano, principalmente os políticos, tem um medo descomunal de dizer “eu errei”, que nesse caso seria a mesma coisa que dizer eu enganei vocês.
Se o prefeito viesse à público e dissesse que houve um erro de avaliação e que ele usou o fato da taxa de iluminação e que hoje ele percebe que não poderá mais eliminar a tal taxa, a população ficaria muito mais agradecida, pois não se sentiria enganada.
Hoje tenta-se consertar uma mentira com jogo de palavras, buscando minimizar os prejuízos políticos e fatalmente essas coisas serão usadas contra eles nas próximas eleições. Ou seja, continuam tentando enganar a população.
O DEM já perdeu eleições, por não ir à população, com sinceridade, e aceitar que enganaram o povo com promessas impossíveis de serem cumpridas, até com promessas registradas em cartório.
Parece que não aprenderam a lição e continuam a cometer o mesmo erro de avaliação. O eleitor, em boa parte, perdeu aquela ingenuidade e, hoje, é muito mais difícil de enganá-lo.
Tanto que hoje, o descontentamento popular com a atual administração é muito grande. E olha que não temos nem um ano de governo. E o DEM parece caminhar com a mesma incompetência de 2005/2008, para lidar com situações adversas provocadas por promessas não cumpridas.
È cedo ainda? É. Mas se não houver um ajuste de percurso, o final será o mesmo…

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA