COMPREENDER A REALIDADE É FUNDAMENTO

142

Quando nos propomos a estudar os vários aspectos que fazem parte da gestão, invariavelmente surgem questões relativas à competitividade, às transformações e às incertezas de um mercado em constante mudança.
Inovar tem sido uma necessidade das organizações que desejam a perenidade. Da mesma forma como a busca e a valorização por profissionais dispostos e preparados para conviver com as adversidades surgidas no dia a dia das empresas.
Um cenário como este, faz com que surjam modismos que levam grande parte das empresas e profissionais a acreditarem que basta participar de um seminário tipo “fale tudo o que eu quero ouvir” e assim estarão preparados para promover uma revolução capaz de trazer a tão desejada lucratividade ou a encontrar o emprego dos sonhos.
Tenho verificado, infelizmente com certa frequência, os “estragos” causados para as empresas e para os profissionais que embarcam nessa “onda”. Muitos gestores ainda acreditam em resultados imediatos e com o mínimo esforço, é como pegar um atalho e chegar à frente de todo mundo.
Também não estou afirmando que não seja possível encontrar soluções simples e rápidas para os problemas, porém é preciso entender que soluções consistentes normalmente não são “passe de mágica”.
De fato, é preciso muito cuidado com certos resultados que em certo espaço de tempo se mostram incipientes e transformam a realidade para pior. Comparativamente, como li certa ocasião: é algo como “passar um creme para esconder as espinhas”!
A estrutura do mercado competitivo em que vivemos exige das empresas e dos profissionais um conhecimento cada vez maior do negócio, do cliente e de todos os aspectos que compõem a cadeia de valor.
É preciso, portanto, compreender que a melhoria do resultado se dá pela capacidade de aprender e de transformar esse aprendizado em práticas de comportamento.
O entendimento sobre como as coisas acontecem de fato, faz parte de um processo de maturidade necessário para construir e, quando for o caso, reconstruir a organização.
Descortinar a realidade que sempre esteve lá, mas que não fomos capazes ou não tivemos coragem de aceita-la, é um passo fundamental para melhorar.
Empresas sólidas, e não importa seu tamanho, não estão “na terra do faz de conta”, pelo contrário, elas têm uma compreensão muito clara da sua realidade, do contexto em que estão inseridas e principalmente se dedicam a mudar a sua realidade continuamente.
Mudança e melhoria não acontecem por decreto, mas pelas atitudes de uma Liderança que reconheça suas próprias limitações, que esteja disposta a ouvir e “financiar” o processo através de sua participação efetiva.
Neste caso, muitas vezes é necessária uma ajuda externa, alguém com experiência e que cujo compromisso esteja acima das individualidades e da marca “sempre foi feito assim”.
Além disso, é necessário contar com gestores comprometidos que pautem suas decisões com base em fatos e dados reais, que sejam participativos e que mantenham a equipe focada nas diretrizes traçadas.
A compreensão da realidade como ela é, sem achismos, sem fantasias, sem presunção e sem desculpas é o fundamento para esboçar um plano de desenvolvimento e de melhoria consistentes.
Até…
Prof. Moacir Martins Junior Conferencista e Consultor empresarial. Autor do livro Labor e Divagações.
Envie suas sugestões de temas para o prof. Moacir. Para contatos e esclarecimentos: moa@prof-moacir.com.br Viste também: www.prof-moacir.com.br

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA