Ainda há uma luz no final do túnel…

88

Por Eduardo Sócrates Bergamaschi

A vida sempre nos mostra, a cada desesperança que, embora não pareça, ainda há esperança, ainda há vida limpa.
Agora é na política que esta esperança me é renovada. Quando acreditava não haver mais nada de bom nesse meio, afinal os modelos nos apresentado diariamente pela imprensa, não nos dava nenhum alento.
Mas eis que, uma aposta nossa, em alguém que conhecemos desde bebezinho, criança, menina gordinha, cabelo encaracolado, inteligente, moça linda, inteligente e batalhadora. Enfim, ali estava alguém com todos os requisitos para fazer política social, ou seja, a verdadeira política e não o arremedo que vemos na maioria dos nossos políticos.
Enfim, apostamos nessa figura que no meio político, parecia até ser um conto infantil, ou algo que não passaria de um “cinco minutos de fama”.
E veio as eleições e o que parecia um “cinco minutos de fama” se elegeu. Carol Gomes era agora uma vereadora.
Qual seria o próximo desafio: “sobreviver em um ninho de cobras”. Foi alertada que não teria trégua, dizíamos a ela que honestidade, ideais, perseverança, não eram exatamente qualidades para ter vida tranquila no meio político, muito pelo contrário.
E foi dito e feito. Conforme suas próprias palavras em postagem no Facebook: “Quando cheguei à câmara, cheia de sonhos e vontade de mostrar que a política que tantos enojavam poderia ser diferente, me deparei logo no sistema com velhas práticas, que para mim não fazem parte da política, fazem parte de um jogo de interesse individual. Fui contra o aumento do número de assessores e ameaçada, dizendo que se eu não votasse junto com uma maioria, meus projetos seriam barrados”, tudo aquilo que a alertamos estava acontecendo.
Em parte de seu relato nesse texto do Facebook ela diz: “Se isso era política eu não queria mais”.
Não minha amiga, isso é aquilo que os pseudopolíticos chamam de política. Política de verdade é exatamente aquela que acreditamos, onde os interesses “COMUNS” são os mais importantes. E o que praticam os pseudopolíticos, podemos chamar de politicagem (política de sacanagem) ou se quisermos ser menos duros de pseudopolítica, jamais poderíamos dizer “POLÍTICA”.
Continue, persevere, se prepare, pois navegar contra a maré é muito difícil. Continue a combater aquilo que você considera não ser de interesse comum, como quando votou contra o aumento no número de assessores.
Continue não se preocupando em tapar buracos, cortar matos ou fazer assistências sociais, para isso o executivo já tem profissionais. Lute sempre para que esses profissionais sejam competentes e honestos, lute para que não apareça nenhuma “Petrobras” em nosso município, essa é exatamente a sua verdadeira função legislativa.
Você se diz “ainda” uma sonhadora. Continue sonhando, pois assim, você estará alimentando o sonho de muitos rio-clarenses, assim como esse seu amigo. Continue a fazer a “política” que acreditamos, política essa que está muito mais para os ensinamentos cristãos do que para o egoísmo, para o enriquecimento financeiro de minoria (partidos principalmente). Suas atitudes nos faz acreditar que ainda há uma luz no final do túnel, e dessa vez não parece ser o trem, mas sim a luz da honestidade. Lute, mostre à juventude que é possível fazer política verdadeira, mesmo estando em um ninho de cobras. Se mais jovens vierem, com certeza as cobras se retirarão, pois o maior veneno contra elas chama-se honestidade…

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA