Zoonoses faz socialização de cães para adoção

Muitos dos animais já foram doados para reforçarem a guarda em empresas

227
O cão depois de castrado, começa um trabalho de interação entre o animal e o tratador que envolve horários de alimentação, limpeza das baias e passeios diários para acalmar, tranquilizar e desestressar o animal

Socializar um animal que teve histórico de agressão é um trabalho longo, exige paciência, dedicação, avaliação de comportamento e acima de tudo, cuidado. No Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) de Rio Claro, cães que atacaram pessoas nas ruas ou muitas vezes os próprios donos precisam permanecer um tempo em observação para descartar a existência de doenças que possam comprometer a saúde humana, como a raiva por exemplo. Depois disso, o cão é castrado e começa um trabalho de interação entre o animal e o tratador que envolve horários de alimentação, limpeza das baias e passeios diários para acalmar, tranquilizar e desestressar o animal.
No CCZ não há recolha de animais abandonados e nem com suspeita de maus tratos já que o compromisso desse órgão público, ligado à Fundação Municipal de Saúde, é com a saúde pública. O gatil também foi desativado há mais de um ano, depois de todos os gatos terem sido adotados. Hoje estão sob a guarda do Centro de Zoonoses apenas cães agressores. São sete no total que ainda estão em processo de doação. Alguns deles, depois de um tempo, são doados. Algumas empresas já adotaram os animais do Centro de Zoonoses para reforçar a guarda do patrimônio. Os animais ganham espaço e passam a ser um importante componente de segurança dentro da empresa.
Um dos casos de maior sucesso em termos de adoção dentro do Centro de Controle de Zoonoses de Rio Claro foi da empresa Ancel, em 2014. A cadela Menina, uma vira-lata que há dois anos ocupava uma das baias do Centro de Zoonoses, passou a exercer uma função nobre. Ela ajuda na guarda do patrimônio. A decisão de adotar um cão recolhido das ruas partiu do dono da empresa. Ele queria dar mais segurança aos vigias que fazem a guarda noturna e achou que seria interessante buscar um animal no CCZ. Menina chegou no Centro de Zoonoses depois de ser recolhida no bairro Recanto Paraíso onde atacou uma pessoa. Tratada pelos agentes, ela ganhou peso e estava há anos à espera de um lar definitivo.ZOONOSES FAZ SOCIALIZAÇÃO (1)
Uma semana depois da adoção da cadela Menina, a equipe do CCZ conferiu, em seu novo lar, a mudança pela qual o animal passou. Com um espaço maior para se movimentar, ela já mostrava um novo comportamento, de obediência e fidelidade. A cadela continua na Ancel até hoje e nunca atacou ninguém da empresa. Já de início interagiu com o funcionário que cuida dos animais. Existem outros cães no Centro de Zoonoses que podem exercer a mesma função de Menina. Dessa maneira ganham mais espaço para se movimentarem e retribuem com dedicação ao seu novo dono. Quando se trata de família querendo adotar um animal do Centro de Zoonoses, na casa não pode haver outros animais ou crianças e o espaço também tem que ser satisfatório. A adoção só é aprovada se forem obedecidas todas as normas adotadas pelo CCZ.
O trabalho do setor tem sido divulgado diariamente através do IEC, departamento de Informação, Educação e Comunicação, que alimenta o seu blog www.cczrioclaro.wordpress.com.br, uma página no facebook (Zoonoses Rio Claro) e ainda uma conta no twitter @cczrioclaro. Em todas essas mídias sociais informações sobre a Zoonoses podem ser acompanhadas.

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA