Lutando para manter a imagem…

167

Por: Eduardo Sócrates Bergamaschi

Qualidades principais do atual prefeito, sem dúvida é sua capacidade de marketing pessoal baseado inteiramente em sua simplicidade. Porém Juninho da Padaria terá que enfrentar tormentas durante os seus próximos anos de mandato.
Como grande parte dos prefeitos que passaram nos últimos anos, não soube escolher muito bem seus secretários, sorte que conseguiu à duras conversas diminuir o número deles. Não é bem não soube escolher, mas sim ter que aceitar o que lhe enfiaram goela abaixo.
E com o passar do tempo, em conversas de bastidores, sabe-se que parte do secretariado não está caminhando junto com o prefeito, desobedecendo ordens e fazendo jogo político partidário pesado.
Tudo parecia caminhar tranquilamente para o prefeito. A situação indicava que ele teria vida tranquila durante os quatro anos de seu mandato. Isto porque, junto com ele foram eleitos vereadores que davam ao prefeito ampla maioria no legislativo, sendo que somente do seu partido foram eleitos 5 vereadores, ou seja 26% dos legisladores.
Porém, a situação financeira e a obstinação do prefeito por uma administração enxuta, levou-o a deixar vários “boquinhas” fora das tetas da “mãe Prefeitura”.
Esta situação, minou e muito as possibilidades de “acertos” que pudessem garantir “OS FIÉIS” coligados.
E isso, traz dificuldades de governabilidade, já que muitos dos “COLIGADOS” não viram “RECONHECIDO SEUS ESFORÇOS” (sic) para eleger o prefeito e começam a tentar minar a força do Juninho da Padaria.
E por mais incrível que possa parecer, o prefeito tem, hoje, mais força junto à população do que junto ao seu próprio partido, que diga-se de passagem foi obrigado a engolir a candidatura do atual prefeito.
A desorientação partidária ficou clara, quando durante a campanha eleitoral obrigaram Juninho a usar de promessas impossíveis de serem cumpridas, com foi o caso da extinção da famigerada Taxa de Iluminação.
Obviamente, não conseguiu e nem conseguirá, pois a matemática não aceita desaforos e acabar com a taxa de iluminação será deixar a cidade às escuras por muitos anos.
Agora jogam o prefeito às feras, deixando que ele explique-se sozinho o porque do não cumprimento da promessa.
Para complicar ainda mais a situação, a cidade vê aumentando os seus pontos escuros, com lâmpadas queimadas espalhadas pelos quatro cantos do município.
No meio das explicações sobre a não extinção da Taxa de Iluminação, despejam na cabeça da população o aumento da taxa de água e esgoto bem acima da inflação.
As administrações mudam, mas as explicações para o aumento da água continuam sempre as mesmas: a) determinação da ARES PCJ que segundo o Superintendente do DAAE, “o reajuste definido permite que o DAAE mantenha o equilíbrio econômico-financeiro da autarquia. Desta forma, garante a qualidade dos serviços prestados à comunidade”; b) esta é sempre infalível: “Temos que lembrar que o DAAE nos últimos anos ficou sucateado”, como se a culpa pela situação fosse toda da última administração.
O atual prefeito, até o momento tem tido muito mais acertos do que erros na condução dos seus trabalhos no comando do município. Tem sido austero no que diz respeito às finanças e este, por incrível que possa parecer, tem sido a parte mais criticada pelos seus “COLIGADOS”.
Por toda essa situação, cremos que o prefeito terá que se apegar totalmente no carisma que tem com a população rio-clarense, voltar a olhar para os bairros nobres de Rio Claro (hoje abandonados), pois lá moram os grandes formadores de opinião. E o desafio é voltar a olhar para os bairros nobres sem deixar de dar a importância que a periferia merece.
Difícil? Muito. Mas só assim o prefeito conseguirá manter o seu prestígio e, consequentemente, o cargo para o próximo mandato…

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA