Mudou, mas não muito…

139

Por: Eduardo Sócrates Bergamaschi

Temos notado alguma coisa de bom, de novo, no legislativo local atual. Podemos hoje, com dezenove vereadores dizer que dois ou três são confiáveis, são honestos. Parece pouco, mas, para quem tinha nada, três já é um grande progresso.
Apesar da boa notícia, fica a tristeza de dizer que do restante pouca novidade pode se sentir, ou ter esperança.
Há remanescentes, há DNAs não muito recomendáveis e há ainda aqueles desgostosos com o atual governo que, por falta de dinheiro, deixa de arrumar boquinhas para seus correligionários.
Até o momento, diga-se de passagem, não há nada que possamos dizer de atos corruptos, mesmo porque, a falta de dinheiro, propicia uma certa onda de limpeza na política.
Mas, atos de incompetência ainda temos aos montes. Como aquele de um vereador que em maio deste ano colocou em votação e aprovou uma moção de apoio aos secretários municipais. Vejam bem, em maio não havia se passado nem seis meses de mandato e não havia como mensurar a capacidade de cada um.
Em um outro trabalho deste mesmo vereador, há uma moção de aplauso a um superintende de uma autarquia municipal que acabara de ser nomeado. E justificava: “Esse Vereador não poderia deixar de externar cumprimentos e desejar que o sucesso deste trabalhador seja alcançado, consolidando assim sua história de luta e beneficiando todo nosso município”. Que história de luta?. Não se sabe se o vereador outorgou ESTAS HONRARIAS por convicção; pelo simples motivo de não ter mais o que fazer (afinal 19 vereadores…) ou para “comprar” a simpatia dos secretários para futuros favores.
Aí a pergunta que não quer calar é: “Será que foi para isso que uma boa parte dos eleitores (foi o mais votado na última eleição) elegeu tal figura? Era isso mesmo que a população precisava? Será que tal vereador sabe EXATAMENTE o que está fazendo na cadeira de legislador?
Apesar do vereador não achar que tenha muito mais o que fazer, já que os legisladores aumentaram de 12 para 19, cabe lembrar aqui que a cidade tem mais de 200 mil habitantes e tem sim muito o que se fazer, muito embora eu também ache que 19 vereadores é um número muito elevado.
É inacreditável que um vereador eleito com mais de 2 mil votos não tenha consciência de que ele está no legislativo representando, no mínimo, estas pessoas, que passaram a ser coautoras de suas asneiras e também de suas atitudes e atos em benefício da população (estes, muito, mas muito raros). Portanto, se ele executou tal ato convicto de que estava agindo corretamente é uma pena, pois dá mostras de que não sabe quais são as suas atribuições como VEREADOR.
Se ele agiu desta maneira por não ter mais o que fazer é só andar pela cidade, conversar com a população que encontrará o que fazer.
Agora se ele fez tudo isso, tentando “comprar” a simpatia dos secretários, para futuros favores…
Porém, parece que a situação é muito mais complicada do que se imagina, pois, para que estas MOÇÕES fossem outorgadas, foi preciso entrar em votação. Assim, todos aqueles outros vereadores que aprovaram tal “ASNEIRA”, são, no mínimo, CONIVENTES.
Todos os secretários que se prestaram a este “RIDÍCULO” demonstraram tanta irresponsabilidade quanto o vereador.
Com tudo isto posto, só nos resta aqui lembrar Rui Barbosa em seu famoso discurso aos estudantes: “De tanto ver triunfar as NULIDADES, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto”.

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA