Rio Claro começa a cadastrar unidades de saúde no Conselho Regional de Medicina

Cadastro no Cremesp é exigido por lei a todas as unidades onde há médicos atuando

289
Além das 35 unidades que pela primeira vez terão cadastro, outras cinco, que já haviam sido cadastradas, mas estavam com a documentação vencida, terão o cadastro renova (foto arquivo Diário)

Valorizar os profissionais da medicina e adequar a rede municipal de saúde à legislação. Com esses objetivos, a prefeitura de Rio Claro está corrigindo uma antiga irregularidade ao providenciar cadastro de 35 unidades de atendimento no Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp). A legislação brasileira exige que toda unidade onde haja médico atuando seja cadastrada no Cremesp, entidade que garante os direitos dos profissionais fazendo a fiscalização, apuração e julgamento de irregularidades contra médicos.
Além das 35 unidades que pela primeira vez terão cadastro, outras cinco, que já haviam sido cadastradas, mas estavam com a documentação vencida, terão o cadastro renovado.
“Estamos redobrando esforços pela valorização de nossos profissionais, que têm contato dia a dia com os usuários da rede municipal de saúde e papel central no bom acolhimento à população”, comenta o secretário de Saúde, Djair Francisco, lembrando que outras iniciativas estão sendo tomadas, como a palestra que foi assistida durante a semana passada por mais de 400 servidores da pasta nas Faculdades Anhanguera.
Para se adequar à legislação, a Secretaria Municipal de Saúde iniciou o trabalho de cadastramento das unidades de saúde no Cremesp logo no início deste ano, quando começou a atual administração municipal. Amplo levantamento de documentação foi realizado e um médico por unidade de saúde foi designado como responsável técnico perante o Conselho e Vigilância Sanitária. O mesmo procedimento será realizado em relação a outros conselhos de profissionais de saúde.
O cadastramento abrange unidades de saúde da família, unidades de pronto atendimento, unidades básicas de saúde e Pronto Socorro Municipal Integrado, entre outras.
De acordo com Fernanda Dalposso Ferreira, assessora administrativa da Secretaria da Saúde, além da documentação, foi necessário realizar levantamento de todos os médicos que atuam nas unidades e dos responsáveis técnicos. Ela explica que o quadro encontrado no início deste ano era de apenas cinco unidades cadastradas, mas sem o documento renovado. “Um exemplo é o Centro de Especialidades e Apoio Diagnóstico (Cead), que não tem o cadastro renovado desde 2003”, cita.

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA