Terras de imigrantes

164

José Renato Nalini, secretário da Educação do Estado de São Paulo

Israel e Brasil são ambas terras de imigrantes. No Gênesis encontra-se eloquente menção a tal circunstância: “Então o Senhor disse a Abraão: “Saia da sua terra, do meio dos seus parentes e da casa de seu pai, e vá para a terra que Eu lhe mostrarei”. A mudança de território, a peregrinação pelo Globo não é novidade para o povo judeu. Já o Brasil foi colonizado por portugueses e, principalmente após a abolição da escravatura, em 1888, levas de imigrantes europeus chegaram para trazer progresso à nossa Pátria.
A partir da constatação de que tanto Israel como o Brasil são procurados por imigrantes, a Organização Feminina WIZO de São Paulo promove o seu concurso de pintura e desenho para alunos do ensino fundamental e médio da Rede Pública Estadual sob essa temática: “Brasil-Israel: Terras de Imigrantes”.
O intuito é fazer o estudante pensar na situação de quem se vê obrigado a abandonar seu berço natal e a rumar para o desconhecido. O Brasil continua a receber imigrantes. Seu número cresceu 160% nos últimos dez anos. Em 2015, entraram regularmente no País 117.745 estrangeiros. Os haitianos em primeiro lugar, os bolivianos em segundo, depois os colombianos, argentinos, chineses, portugueses, paraguaios e até norte-americanos.
Israel tem tradição de receber com hospitalidade todos os povos que o procuram. O sofrimento experimentado na História de seu povo o credencia a ser um exemplo de acolhida. E quando se fala em imigrante, pensa-se logo em coexistência pacífica, compreensão, humanidade, solidariedade. Tudo isso os alunos da Rede Pública Estadual poderão colocar em seus trabalhos que deverão ser entregues até 10 de outubro na sede da WIZO, Rua Minas Gerais, 36. É importante consultar a apostila informativa: www.wizosp.org.br
Concorrer é demonstrar interesse por um tema que se tornou permanente diante das ondas migratórias que o mundo assiste, nem sempre com os braços abertos como os de israelenses e brasileiros, povos que têm a fraternidade como algo natural no instinto do ser humano e que sabem sermos todos inquilinos transitórios de um planeta que não criamos, mas do qual usufruímos gratuitamente.
Vamos participar do concurso e mostrar nossa criatividade e nossa compreensão sobre o que se espera de quem recebe imigrantes e refugiados em busca de um destino mais compatível com a dignidade humana.

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA