Atropelamentos são a segunda maior causa de morte no trânsito do Estado

Segundo dados do Infosiga SP, pedestres ficam atrás somente dos motociclistas nas estatísticas do primeiro semestre deste ano. Uma em cada três vítimas tem mais de 60 anos

390
Apesar da redução de 3,8% de óbitos por acidente de trânsito no primeiro semestre, no Estado, os índices de fatalidades com pedestres permanecem em alta

Levantamento do Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, programa do Governo de São Paulo que visa reduzir em 50% o número de óbitos por acidentes no Estado, mostra que acidentes com pedestres respondem por 28,4% das fatalidades, ficando atrás somente dos motociclistas (33,5%). Uma em cada três vítimas é idosa com mais de 60 anos de idade.
“Os pedestres são uma das nossas prioridades e incentivamos ações junto aos municípios e gestores de rodovias. Além de melhorias nas vias, trabalhamos para conscientizar a população de que é necessário evitar comportamentos de risco como atravessar fora da faixa e das passarelas ou se distrair com o aparelho celular”, explica a coordenadora do Movimento Paulista, Silvia Lisboa.
O Movimento Paulista de Segurança no Trânsito e o Detran.SP promovem desde maio a campanha #Focanotrânsito, ressaltando a necessidade de atenção tanto dos motoristas como dos pedestres, já que a maior causa de mortes é devido a desatenção e imprudência.
“De forma criativa e bem-humorada, queremos passar a mensagem de que 94% dos acidentes fatais ocorrem por falha humana. Todos devem fazer a sua parte para um trânsito mais seguro”, afirma Maxwell Vieira, diretor-presidente do Detran.SP.

Estatísticas
Apesar da redução de 3,8% de óbitos por acidente de trânsito no primeiro semestre, no Estado, os índices de fatalidades com pedestres permanecem em alta. Segundo o Infosiga SP, em 2016, foram registradas 729 ocorrências entre janeiro e junho, contra 782 neste ano.
Mais da metade (56,9 %) dos acidentes aconteceram em vias municipais, o que reforça a necessidade de atuação nas áreas urbanas. Idosos com mais de 60 anos correspondem a 34% das fatalidades entre pedestres. Já o período da noite concentra 57% dos acidentes.
“Os pedestres são o grupo mais frágil do trânsito e merecem cuidado especial por parte dos motoristas. No caso dos idosos, temos incentivado ações específicas para este grupo por parte dos municípios, dada a alta proporção de acidentes que envolvem esta faixa etária”, finaliza a coordenadora do Movimento Paulista.

Sobre o Movimento Paulista de Segurança no Trânsito
Programa do Governo do Estado de São Paulo, tem como principal objetivo reduzir pela metade os óbitos no trânsito no Estado até 2020.
Inspirado na “Década de Ação pela Segurança no Trânsito”, estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) para o período de 2011 a 2020, o comitê gestor do Movimento Paulista de Segurança no Trânsito é coordenado pela Secretaria de Governo e composto por mais nove secretarias de Estado: Casa Civil, Segurança Pública, Logística e Transportes, Saúde, Direitos da Pessoa com Deficiência, Educação, Transportes Metropolitanos, Planejamento e Gestão, Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação.  As secretarias são responsáveis por construir um conjunto de políticas públicas para redução de vítimas de acidentes de trânsito no Estado.
O Movimento Paulista de Segurança no Trânsito envolve também a sociedade civil com o apoio de empresas – Abraciclo, Ambev, Arteris, Banco Itaú, CNseg, Pro Simulador e Raízen – e do Centro de Liderança Pública (CLP).

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA