Casamento, Loteria ou Amor?

241

É incrível o número expressivo de casamentos que nos últimos tempos estão se destituindo. Uniões que não duram muita das vezes mais que um ano ou por incrível que pareça um semestre. Mas por que? O que está havendo? O casamento tornou-se sinônimo de loteria onde a sorte predomina ou ainda é algo regido e controlado pela força do amor?
Há casos de casamentos que duraram anos e anos, onde os cônjuges na fase de conhecimento namoraram e noivaram em questão de meses, por outro lado existem aqueles casamentos onde os cônjuges enquanto se conheciam namoraram e noivaram em tempo longo, aí então ao casarem-se a separação veio em questão de dias. Por que? O que acontece com as pessoas na questão de relacionamentos, para agirem dessa forma?
Parece que o casamento nos dias atuais perdeu a sua essência, onde o amor era o dominante como nos matrimônios antigos e passou a ter um caráter ligado a sorte, como nos jogos de loteria federal, já que casou-se com a pessoa certa? Felicidade! Não casou-se? Tristeza, decepção e logicamente separação!
Na verdade pelo que se entende, o casamento é nada mais nada menos do que uma junção de personalidades e é aí que o bicho-pega, pois é como os realitys-shows da televisão, Casa dos Artistas, Big-Brothers entre outros, onde os mesmos agrupam pessoas com personalidades totalmente diferenciadas uma das outras e as obrigam viver por um longo tempo juntas, aí é claro né! Conflitos, discussões, desentendimentos, inimizades passam a ser inevitáveis. O casamento não foge a regra, porém a obrigação de se viver juntos passar a ser definitiva, indeterminada e com ar de eternidade.
Por tal fato pode ser então que o casamento deixa de lado o fator amor e entra na questão sorte, loteria. Sim pois é no momento da vivência a dois que aqueles detalhinhos de nossa personalidade um pouco escondidos começam a aflorarem, aquele ladinho que o outro jamais imaginava que tínhamos. Um costuminho aqui, um habituzinho ali e assim vai, muitas coisas ocultas de nossa personalidade durante namoro e noivado começam a aparecerem.
Segundo a psicologia tal fato ocorre pela questão posse, como assim? Pois quando vivemos a fase de namoro e noivado, procuramos por questão do encanto que temos para com a outra pessoa, evitar demonstrar quem realmente somos, nossos defeitos relevantes, com intuito de não perder o (a) futuro (a) cônjuge. No casamento, já com tudo de maneira formal e concretizada, o sentimento de posse concluído dão a nós uma liberdade para apresentarmos ao outro nossa verdadeira faceta e nesses momentos de revelações a bomba relógio pode então começar a sua contagem regressiva, pois a decepção de ambas as partes inicia um incômodo e o desespero de estar preso a um casamento pressiona a cada minuto.
Analisando esse ponto, entra uma questão. Será que um namoro e noivado mais próximo, não evitaria um casamento de revelações indesejadas? A igreja logicamente condena esse tipo de aproximação, mas se analisarmos o tanto de casais que dentro de meses de namoro e noivado se casaram e hoje vivem a mercê de brigas, desentendimentos e principalmente dificuldades financeiras, se já não se separaram, começaremos então a pensar sobre essa questão.
Casamento não é uma brincadeira ou uma válvula de escape como muitos pensam para escaparem dos pais carrascos ou dos conflitos familiares. A união a dois é algo complexo e requer um planejamento calculado e uma estrutura fortalecida principalmente financeira, porque já dizia o ditado: “O dinheiro não entrou pela porta, o amor sairá pela janela”.
Ainda nos dias atuais diante a tantos fatores contrários, é possível sim viver um casamento brilhante, mas em meio a esse ponto fica a pergunta, casamento é sinônimo de loteria ou amor?

Autor: Douglas S. Nogueira
Técnico em Manutenção e Integrante das Associações Literárias de Santa Bárbara e Piracicaba – ACIBEL e CLIP
E-mail: douglas.dsts.nogueira@gmail.com
Blog: www.douglassnogueira.blogspot.com

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA