VIOLÊNCIA DE INTENSIFICA

236

Por Alessio Canonice – alessio.canonice@bol.com.br

Por mais que se tente reduzir a violência no Brasil, torna-se infrutífera esta luta, pois a cada dia que passa vem tomando dimensão de uma forma desenfreada e que vem ocorrendo diariamente em todos os lugares do Brasil e do mundo.
Poucos são aqueles que saem às ruas com tranquilidade absoluta de que estão extremamente seguros quando voltam ao lar sem a mínima preocupação de serem abordados repentinamente pelos agressores que atacam o próximo sem piedade e sem medir as consequências de seus atos.
Ao andar pelas ruas e avenidas, os momentos imprevisíveis estão sujeitos a acontecer, levando-se em consideração o fato de que muitas pessoas morrem e deixam famílias em sofrimento por causa de um assalto, bala perdida ou por outros motivos atinentes a este quadro desanimador do dia a dia de nossa existência.
Cada dia que se sucede a violência aumenta rapidamente em vez de todos serem unidos, parece que se separam, portanto, não sabemos o que será o dia de amanhã, razão pela qual há tanto medo dentro de nós, que não pensamos em outra coisa senão o risco da violência.
Não podemos esquecer de ressaltar a violência nas torcidas de futebol e de todas as modalidades, coisa que deveria ser diversão acaba em acontecimentos lamentáveis e morte para o desespero dos pais que perdem um filho em situação deprimente, arrasadora e que merece o repúdio de toda a sociedade.
Como todos nós sabemos, continuam ocorrer no Brasil graves violações dos direitos humanos. No caso, as vítimas tendem a ser aquelas que mais precisam de proteção: os pobres urbanos e rurais, os negros, os jovens e também aqueles que trabalham em prol dos mesmos: advogados, professores e assim por diante.
As brechas cada vez maiores entre riqueza e pobreza, juntamente com as atividades do crime organizado e a disponibilidade de armas criaram uma mistura explosiva em que a escalada da violência desde há muito se tornou um problema sério às autoridades, no sentido de combatê-la com eficiência.
O panorama nas zonas rurais ainda é pior. Em apenas 4%,aproximadamente, que se refere aos casos de morte de camponeses e líderes sindicais rurais, é claro que os responsáveis foram a julgamento sobre a pena de cada um.
O povo brasileiro tem o direito de viver sem medo do crime e, particularmente, da violência, desde que haja o respaldo eficiente de segurança efetiva, capaz de estar em sintonia com as necessidades de que se fazem necessárias, condicionadas a uma melhor proteção ao cidadão, quando se dirige à sua atividade profissional e quando retorna à residência.
Temos a destacar nesta oportunidade o caso de Carandiru, um dos mais arrasadores, onde o número de vítimas foi o suficiente para se ter uma ideia dos óbitos de pessoas que estavam em serviço no cumprimento das suas funções à época da tragédia.
Infelizmente, para muitos brasileiros, o Brasil é tido como insuficiente na aplicação da justiça de uma forma a contento, porém, não significa que a população não acredite nela, mas deveria ser intensificada com todo rigor na aplicação da lei.
Sabemos que na maioria das vezes as vítimas são jovens adolescentes de sexo masculino, proveniente de bairros pobres e, para incrementar este cenário, dias atrás um jovem de nossa cidade foi duramente atingido no crânio sem que justificasse a atitude do agressor pela violência que empregou neste dia.
Para ilustrar mais ainda o que narramos até aqui, tivemos o caso de um manobrista de veículos de um estacionamento para ajudar em suas despesas, quando, de repente, foi surpreendido por elementos mal intencionados, causando-lhe sérios ferimentos e o levando a óbito por não ter resistido à violência de uma forma brutal pelos agressores.
Este, afinal, é o quadro da violência que se estende por todo o país.

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA