NÃO SOMOS ISENTOS

239

O grande debate que está em voga hoje e que constrange a sociedade brasileira é sobre a falência institucional, devido à corrupção.
Na República da delação ou no país do achaque, da propina, dos deslegitimados, e das reformas anti-trabalhador, vivenciamos um processo de marginalização de todo o sistema.
Esta podridão toda que exala dos acordos antirrepublicanos e que “novelisticamente” é apresentada à sociedade brasileira, tenta deformar e apartar a sociedade destes delitos.
Reflexo perene da classe política é a sociedade que a empodera em uma relação umbilical de sua representatividade. O que nos leva à triste, mas verdadeira constatação, de que não existem governo e parlamento corruptos numa sociedade casta.
O comportamento social é a base da edificação de sua classe política.
No Brasil, em especial, temos uma sociedade propositalmente despolitizada e desculturada que é doutrinada à assimilação de sua isenção com as coisas públicas.
O conceito de público é inversamente conceituado como não sendo singularizado, ou seja, não pertencente do “povo”, o que é uma verdadeira anomalia.
O caso, por exemplo, de um deputado recebendo propina, ele só recebe porque foi eleito, porque ocupa uma cadeira no Congresso Nacional, porque teve voto, porque obtém a representatividade popular. Sem essas prerrogativas não estaria recebendo essa propina.
Consagramos conceitos distorcidos, como “rouba, mas faz”, “jeitinho”, dentre outros, mas ficamos “indignados” e “revoltados” com a roubalheira dos políticos que não gostamos, e justificamos aqueles que apoiamos.
Roubo do partido alheio eu condeno, mas roubo de meu partido eu argumento e justifico.
Somos constituídos da mais profunda e confessada hipocrisia.
Apontamos os dedos e não fazemos autocrítica, não refletimos, não nos responsabilizamos, afinal, não é problema nosso, e sim dessa classe política que apenas votamos.
E ignorantemente verbalizamos: “Não gosto de política. São todos iguais.”
Só olvidamos que somos iguais sim, à sociedade que os elege.

Henrique Matthiesen
Bacharel em Direito Jornalista

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA