BRASILEIROS E BRASILEIRAS

102

Por Geraldo J. Costa Jr.
02/5/2017

Por que a sina do povo brasileiro é sofrer nas mãos dos políticos? Por que desde muito pequenos somos convencidos de que, nascidos pecadores, temos de sofrer com obediência e resignação? Mas onde o nosso direito de nos revoltarmos contra quem nos oprime? Dizer-lhes basta. Avisar-lhes que agora somos nós a empunhar o chicote e a espada e fazermos justiça. A justiça social que jamais fizeram aqueles que, ao longo do tempo, escolhemos para nos representar. Eles têm abusado da nossa paciência, ignorado a nossa boa fé, traído a nossa confiança. E seguem com um discurso que soa como melodia aos nossos ouvidos a cada quatro anos, e que morre no mesmo instante que são proclamados os resultados da vitória deles que deveria também ser a nossa.
E tudo isso acontece, mesmo sendo nós os senhores do nosso destino. Há um abismo colossal entre os nossos legítimos anseios e os objetivos mais sórdidos, perseguidos obstinadamente, por eles, os nossos representantes. Ao menos deveriam ser. Porque, em verdade, apenas representam os seus próprios interesses e os interesses do grupo político do qual fazem parte e do grupo econômico que os financia, na vida pública e na vida privada.
Tem-se a ilusão de que outros farão por nós, o que só compete a nós mesmos, o povo, fazer por nós. Daí a eterna espera, pelo salvador surgido do céu ou da terra, mas que, em verdade, jamais virá. E não virá porque somos dotados de vida em abundância, inteligência, capacidade física e intelectual para trabalharmos e promovermos o progresso desejado por todos e que seja para benefício de todos. Somos livres! Embora tenham nos convencido de que não. E por isso criaram mecanismos, para nós impenetráveis, como os poderes constituídos: Executivo, Legislativo e Judiciário, que deveriam em tese trabalhar para nós porque seus membros são em verdade nossos empregados, embora nem eles e nem nós tenhamos a mínima noção disso. E quando acaso temos a noção de que somos patrões deles, não nos convencemos disso.
Hoje está muito claro para quem enxerga um palmo diante dos olhos que toda a riqueza gerada pela sociedade produtiva, leia-se trabalhadores, empresários, agricultores, etc. serve para sustentar podres poderes, os quais nada retornam para nós, o povo. Daí faltar dinheiro para atender as necessidades básicas do povo, garantidas pela Constituição Federal, também conhecida como Constituição Cidadã. Deveriam eles todos responder por isso, porque entre suas atribuições está a administração e aplicação dos bilionários recursos gerados pelo suor dos brasileiros trabalhadores. Mas não só não respondem como, num ato de cinismo, de descaramento, de escárnio, exigem através de leis esdrúxulas e injustificáveis que nos são impostas goela abaixo, que nós paguemos pelo assalto aos cofres públicos que eles mesmos praticam. Um absurdo! E nós, o povo manso, pacífico, ordeiro, continuamos acreditando em utopias como democracia, justiça divina, lei de retorno, que podem muito bem existirem em outros cantos do mundo, em outros planos de dimensão da vida, mas que inexistem no Brasil, que muitos sonhadores inebriados com suposições e teorias jamais confirmadas imaginam será num futuro breve, o pedaço de chão escolhido para a redenção da humanidade. Pensam em acolher os que vêm de fora, quando se esquecem de acolher os que já estão aqui, os seus, o sangue do seu sangue e a carne da sua carne. Lamentável. Ainda nos falta o espírito de fraternidade na mais verdadeira acepção da palavra, do qual depende o bem comum. Em resumo, o que cada um quer para si não é um país melhor, mas, um bom emprego, uma boa casa e um bom automóvel. Aqueles que os possuem, não estão dispostos a lutar pelo bem da maioria. Sob essa perspectiva, fica fácil entender porque 517 anos depois do início da nossa história, ainda sequer nos convencemos de nossos direitos, e não somos também corajosos e dispostos o suficiente para lutarmos por eles, mesmo que seja para benefício das gerações futuras, e à custa do nosso próprio sacrifício.
O colaborador é escritor
jcostajr2009@gmail

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA