SÃO PAULO NA FRENTE

233

José Renato Nalini, secretário da Educação do Estado de São Paulo

Um dos objetivos da Base Nacional Comum Curricular entregue pelo MEC para o Conselho Nacional de Educação é alfabetizar a criança até os 7 anos. Antes disso, admitia-se a alfabetização até os 8 anos, o correspondente à segunda série do Ensino Fundamental I.
        Assim como São Paulo se antecipou à adoção de um currículo, também neste ponto a Rede Pública Estadual está à frente do comando normativo. As Escolas Estaduais Paulistas já cumprem essa meta e têm condições de otimizá-la ainda mais. Há iniciativas pioneiras desenvolvidas por professoras que conseguem alfabetizar seus alunos aos 6 anos. Isso é o que ocorre em outros Países, convictos de que habilitar a criança, o quão mais cedo se puder, a desvendar o mundo encantado da escrita é propiciar a ela um futuro mais digno e mais feliz.
        Por óbvio, o ensino atende às especificidades de cada criança. Cada qual tem seu tempo, não se pretende homogeneizar uma coletividade heterogênea. A homogeneidade é própria aos formigueiros, às colmeias e a outros coletivos não racionais. A humanidade é plural, diversa. Essa é a sua maior riqueza e sua instigante beleza.
        Para satisfação de todos os paulistas, em nosso Estado 98,7% dos alunos do 2º ano do Ensino Fundamental já sabem ler e escrever. Dominam os textos escritos, conseguem vislumbrar o fantástico universo das letras, podem dominar o conhecimento e obter todas as informações disponíveis.
        Adotou-se tal estratégia em 2013, a partir de favoráveis resultados obtidos na aferição do Saresp – Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar. As provas aplicadas anualmente identificaram habilidades satisfatórias em leitura e escrita em crianças de 7 anos.
        As equipes gestora e docente da Secretaria mantêm ações exitosas em cada unidade escolar. Uma delas é o programa Ler e Escrever, que inclui material didático em Língua Portuguesa e Matemática e formação continuada dos professores.
       A novidade em 2017 foi a adoção de aulas de reforço em fevereiro, logo no início do ano letivo. A partir de abril, unidades dos Anos Iniciais também implementarão  um novo programa de recuperação de conteúdo com aulas no contraturno e jornada expandida para melhor aproveitamento do conteúdo curricular.
        A Rede Estadual da Educação está comprometida com o permanente aprimoramento da qualidade de ensino público oferecida aos quase quatro milhões de estudantes, a certeza de um porvir mais promissor para o nosso Estado e para o Brasil. 
 

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA