O SENTIDO DA CAMINHADA.

170

JUAREZ ALVARENGA
Nossos passos nem sempre nos levarão a lugares deslumbrantes. Muitas vezes, caminhamos psicologicamente maltratado pelas intempéries da vida.
A boa caminhada sempre há imprevistos que devemos com determinação contornar.
Saber o ponto final de chegada nos agiganta nos passos e nos cria resistência consciente das agruras do realizar.
Conhecemos nosso mundinho, pois sabemos sempre locomover com destreza neste labirinto complexo que o único capaz de contornar, com sucesso, somos nós. Existem abismos perigosos, vales cerceados no quadrado de mato verde e saídas mirabolantes que o tempo da vida nos trouxe como marca.
Sempre temos como referencial o ponto de chegada.
Na maturidade só iniciamos novos caminhos com determinação segura de que atingiremos o alvo.
Aprendemos que depois de tomada a decisão de iniciar a caminhada, nada nos contém, nem as adversidades acidas, as tempestades seriadas e nem nossas almas ressentidas pela descida no abismo da vida. Durante a corrida só a fatalidade da morte é capaz de nos conter.
Nossos caminhos percorridos nunca foram uma avenida. Transtornos e obstáculos sempre fizeram parte de nossos passos. Mas, sempre acreditemos que só merece a bandeirada final, quem tem a ousadia de partir. Somente os guerreiros armados por dentro resistirão às agruras do partir.
Errar caminhos e voltar é recompensado pelos atos dos sensatos e premiado por transformar as vitórias
perdidas em êxitos merecidos.
Somente no empirismo da caminhada que se conhece a valentia dos passos.
Hoje, nosso alvo, depois de uma maratona intima, é só descobrir o que nos faz felizes. Trabalhamos convicto com o nosso sentido de viver. Temos paciência com nossos sonhos, discernimento com a realidade e volatilidade de nossos caminhos tortuosos que só merece ser enfrentado, pela destreza do mestre da vida, que conhece com clareza o alvo a ser atingido e os compassos dos passos seguros e certeiros.
E MAIL: juarezalvarengacru@gmail.com

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA