A “Grande Fábrica de Móveis José Palazzo”

336
Imóvel onde funcionou a antiga “Grande Fábrica de Móveis José Palazzo”

A “Grande Fábrica de Móveis José Palazzo”, uma das mais antigas lojas de móveis de Rio Claro, localizava-se à rua seis, números 1529 e 1531, entre as avenidas oito e dez (atual Hidraúlica Fonteluz).
Giuseppe (José) Palazzo nasceu no dia 4 de outubro de 1900, em Civitanova Del Sannio, Província de Campobasso, Itália. Chegou à Rio Claro aos três anos de idade, juntamente com o irmão Ângelo e os pais Nicola Maria Palazzo e D. Emilia Di Tomaso (aqui nasceram Domingos, Maria casada com Palmiro Izzi e Carolina com Frederico Speglis). Muito jovem, humilde, alegre e comunicativo, prestou serviços na antiga “Companhia Paulista de Estradas de Ferro”, tornando-se brilhante artífice em marcenaria e na confecção de móveis.
Em 1923 foi inaugurada a “Grande Fábrica de Móveis José Palazzo”, na rua seis, entre as avenidas oito e dez, (junto à residência de seus pais, com três amplos salões e mezanino, confrontava com imóveis de Silvério Cornachione e Paschoal Di Giovanni, ao fundo o Córrego da Servidão). No local eram confeccionadas móveis com excelentes madeiras trazidas do Paraná (famosos pelas entalhaduras de extremo bom gosto, resistência e durabilidade). Contam-nos seus parentes, para o desespero de José, seus netos brincavam e pulavam entre os móveis, parando somente quando ouviam se aproximar o soldado Pernambuco, com voz forte e grossa, que quase diariamente lá parava para conversar (residia na “Coloninha”, entre as avenidas doze e catorze).
À época, a próspera e conceituada firma possuía modernos equipamentos: grande quantidade de bancadas, máquinas, moldes, ferramentas, além de inúmeras serras de fita. Conforme relatos, a Igreja de Santa Cruz, o antigo Seminário (Congregação dos Padres Stigmatinos) e a Família Ortolan (residente em Ipeúna), guardam móveis artesanais fabricados por José Palazzo.
Em 5 de novembro de 1956, José Palazzo, foi declarado brasileiro de acordo com a Lei de Nacionalidade n. 818, de 18 de setembro de 1949.
Faleceu em 10 de maio de 1975, aos 75 anos, de enfisema, assistido pelo Dr. Mário Antonio Fittipaldi. D. Maria morreu aos 78 anos, em 29 de junho de 1979, de neoplasia das vias biliares. Homem carismático e respeitado pelos seus conterrâneos, José era perfeccionista, honesto, bem-humorado e brincalhão (traços marcantes da família Palazzo). Nas viagens mensais de negócios à São Paulo e São Bernardo do Campo, juntamente com o Sr. Antonio César (o “Toninho”, também comerciante de móveis, com loja na rua 8, entre as avenidas oito e dez), José gostava muito de levar seus netos.
José e D. Maria dedicaram-se ao árduo trabalho de confecção e fornecimento de móveis para Rio Claro, cidades do Estado de São Paulo e do Brasil. Aos poucos, foram progredindo. Em meados de 1967, logo após completar quarenta e quatro anos de existência, o renomado estabelecimento comercial encerrou as atividades (à época, faziam enorme sucesso mesinhas de centro que exibiam gravuras japonesas de gueixas, com o Monte Fuji ao fundo).
Cumpre lembrar, também, a destacada atuação do competente industrial Ângelo Palazzo (e descendentes), fundador de tradicional sapataria e fábrica de calçados localizada no Bairro de Santa Cruz. Aos inúmeros fregueses da zona rural, os irmãos diziam afetuosamente: “os chapeludos vêm vindo”. Como propaganda de seus negócios, cada qual dizia em sua loja – “já foi no meu irmão” – e riam deles mesmos.
Naquela época, havia uma figura folclórica, o carroceiro “Tonhão Reis”, cunhado do Sr. Sebastião Generoso (proprietário do afamado “Restaurante Líder”) que, durante o carreto dos móveis, anunciava: “Lá vem o Tonhão…”; “Seu Zé, bom dia.”
Na atualidade, o antigo local da Grande Fábrica de Móveis abriga as modernas instalações do estabelecimento comercial “Hidráulica Fonteluz”, comandada pelos netos e bisnetos de José Palazzo.
“Lá é como no tempo de nosso avô, apesar de nova tecnologia comercial e de todos que lá trabalham terem curso superior, é um ponto de bons negócios, boa conversa, contos, comentários políticos, esportivos e técnicos, com aquela boa aguinha e a mesma placa do estabelecimento de José Palazzo (Agradecemos a Preferência)”, relata a neta Rosângela.
Registre-se, na oportunidade, a valiosa colaboração da Sra. Lucia Maria que, com Luiz Fernando, muito contribuiu para o desenvolvimento das pesquisas históricas.

Anselmo Ap. Selingardi Jr.
Perito Judicial em Arqueologia e Documentação Histórica
Inscrição: N. 1417 SP

 

Impresso que se colava nos móveis artesanais feitos por José Palazzo
Impresso que se colava nos móveis artesanais feitos por José Palazzo
 Penteadeira em madeira com espelho grande (acervo: Palmiro e Zenaide Ortolan)
Penteadeira em madeira com espelho grande (acervo: Palmiro e Zenaide Ortolan)
Cômoda e criado-mudo em madeira com puxadores em metal (acervo: Palmiro e Zenaide Ortolan)
Cômoda e criado-mudo em madeira com puxadores em metal (acervo: Palmiro e Zenaide Ortolan)
Cama de casal em madeira (acervo: Palmiro e Zenaide Ortolan)
Cama de casal em madeira (acervo: Palmiro e Zenaide Ortolan)
Em pé 1ª. fileira : Maria Selma, Odair, Evaldo e Domingos Em pé 2ª. fileira: Edelvina, José, Emília, Jamir, Yolanda, Ângelo  e    Palmiro Izzi (acervo: Família José Palazzo) Sentados: Carolina, Maria Dagnone, Emília, Nicola, Maria Arminda  Nobre Franco, Maria, Djalma e Creusa Aparecida (acervo: Família José Palazzo)
Em pé 1ª. fileira : Maria Selma, Odair, Evaldo e Domingos
Em pé 2ª. fileira: Edelvina, José, Emília, Jamir, Yolanda, Ângelo e Palmiro Izzi (acervo: Família José Palazzo)
Sentados: Carolina, Maria Dagnone, Emília, Nicola, Maria Arminda Nobre Franco, Maria, Djalma e Creusa Aparecida (acervo: Família José Palazzo)

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA