Campanhas de prevenção à obesidade infantil deveriam considerar a saúde bucal

Odontopediatra brasileira dá dicas para que as crianças tenham uma boca mais saudável  

1706
Helenice explica que, até a criança completar três anos, os pais são responsáveis por seus hábitos de escovação

Nem sempre as campanhas de prevenção a doenças que se tornaram um grande problema para a saúde pública são plenamente bem-sucedidas. No Reino Unido, onde um terço das crianças apresenta sobrepeso ou obesidade ao término do ensino básico, foi lançada uma campanha no ano passado para combater a obesidade infantil que ainda gera muita polêmica. Apesar de alguns pontos da campanha ser interessantes, como obrigar os fabricantes a reduzir em 20% a quantidade de açúcar, sal e gorduras saturadas dos alimentos industrializados, banir personagens de desenhos animados desse tipo de comercial de TV e aumentar o imposto sobre bebidas esportivas e refrigerantes, ficou evidente que a campanha deixava muitas brechas. Pior: não levava em consideração a saúde bucal das crianças.
Imediatamente, a Oral Health Foundation (OHF) – organização sem fins lucrativos que há mais de 40 anos atua naquele país e tem ações no mundo todo – se posicionou, dizendo que isto seria um desastre absoluto, resultando numa geração inteira de crianças com sérios problemas de saúde bucal. De acordo com Nigel Carter, presidente da OHF, “apesar de a campanha ser focada na obesidade, ela ignorou a saúde bucal. No Reino Unido, mais de 33 mil jovens têm de se submeter à extração de dentes todos os anos. Isso seria totalmente evitável se as disposições necessárias fossem colocadas em prática”. É necessária toda uma mudança na alimentação das crianças.
Na opinião da odontopediatra Helenice Biancalana, diretora do Departamento de Prevenção da Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas (APCD), é fundamental encorajar crianças e pais a adotar hábitos alimentares mais saudáveis, reduzir consideravelmente o consumo de alimentos industrializados sem qualquer valor nutricional – principalmente aqueles com alto teor de açúcar – e melhorar seus hábitos de higiene bucal.  “Para ter dentes saudáveis, é preciso adotar desde cedo dois hábitos: 1. Evitar alimentos muito doces e carboidratos, como bolachas e massas, que se transformam em açúcar na boca, depois de digeridos; 2. Cuidar bem da higiene bucal”.
De acordo com a especialista, o açúcar é um grande vilão dos dentes – além de contribuir fortemente para o ganho de peso e a obesidade. “O açúcar que ingerimos se transforma em ácido em nossa boca. Esse ácido ataca o esmalte dos dentes de forma agressiva e, com o tempo, provoca cárie e outros problemas orais ainda mais graves. Além de reduzir a ingestão de doces, balas, bolachas e bebidas açucaradas – como refrigerantes e achocolatados – o ideal é a criança aprender desde cedo a escovar os dentes logo depois de se alimentar e jamais dormir sem fazer a higienização bucal. Outra dica importante é ingerir, desde pequeno, bastante água durante o dia. Além de aumentar a sensação de saciedade e fazer bem para a saúde, tomar água é ótimo para os dentes e contribui para a limpeza da boca, impedindo altas concentrações de bactérias que resultam na formação de cárie”.
Helenice explica que, até a criança completar três anos, os pais são responsáveis por seus hábitos de escovação. Aos poucos, devem deixar a criança à vontade para adquirir iniciativa e independência – contando sempre com a supervisão dos adultos até que ela realmente dê conta de praticar esse hábito de forma adequada – o que acontece por volta dos sete ou oito anos. Nessa fase, a criança passa a escovar os dentes sozinha – embora ainda seja necessário que os pais confiram se ela está cumprindo com esse ritual fundamental para ter um sorriso bonito e saudável ao longo da vida. “Como a obesidade está intrinsecamente ligada ao aumento de cárie e doenças periodontais, é importante que as campanhas da saúde pública adotem medidas que possam, ao mesmo tempo, reduzir a incidência desses dois tipos de doença”, conclui a odontopediatra.
(Fontes: Dra. Helenice Biancalana, odontopediatra e diretora do Departamento de Prevenção da Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas (APCD) – www.apcd.org.br)

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA