Um infeliz natal

582

O que dizer do natal de muitos? Uma alegria ou tristeza? Paz ou melancolia? Fartura ou estômago vazio?
Essas são infelizmente, questões mais que verdadeiras nessa época do ano. Mas o “muitos” que é citado, a quem se refere? É simples! Foca a grande e desprivilegiada massa de seres humanos, não apenas no Brasil como em todo o planeta. Crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos sem recurso algum, vêem o natal em forma de um verdadeiro bicho-papão, de um catálogo real referentes à suas vidas, mostrando-lhes realmente quem são e as verdadeiras condições as quais vivem, tornando então para tais pessoas, uma data melancólica sem brilho nenhum.
A fome parece que fica mais visível, na chegada do papai noel. É de se encher os olhos de lágrimas, o coração de tristeza e lamentar por tanta desgraça, que envolve o natal de milhares de pessoas em toda a Terra. Porém, ficar somente no lamento não podemos é necessário e urgente agir! Vamos nos unir, nós que temos condições um pouco acima e moldar de alguma beleza, a data natalícia de inúmeros cidadãos, os quais suplicam por felicidade constante.
O egoísmo também é fato consumado em tal data, pessoas com condições de vida elevada, nem se quer procuram saber como anda a preparação para o natal do seu semelhante, o qual não encontra inspiração alguma para sorrir no dia vinte e cinco de dezembro. Que ridículo isso! Quanto mais se possui, menos se quer perder. Avareza, ganância! Irão levar o que para a vida eterna? O que? O natal feliz é direito de todos e um enorme dever cultural, humano e religioso, para nós possuidores de recursos, proporcionarmos a realização disso.
Olhar uma criancinha isenta de pai, mãe ou qualquer responsável legal por ela nessa época é uma dor comovente, mas isso apenas ocorre, se você realmente carrega em seu peito um coração recheado de amor, bondade e compreensão.
Um infeliz natal! Expressão duríssima, entretanto verdadeira, concreta. Por que existe tanta desigualdade social nesse mundo? Uns nadando, mergulhando de corpo e alma no dinheiro, na abundante felicidade material, comemorando a data natalícia, sem sequer lembrarem que representa o nascimento do homem, que ensinou a todos a amar e isentar-se por completo de qualquer espécie de egoísmo, outros mendigando um pedaço de panetone, para também sorrirem e comemorarem a mesma data.
O natal, cada ano que passa vem proporcionando mais tristeza.
Quantas pessoas, além da perca marcada de amigos, companheiros ou entes queridos, que partiram justamente no mês natalício, mal tem um centavo para saborear um sorvete, contemplando os enfeites espalhados por toda a cidade. E o que esses cidadãos, têm a dizerem uns aos outros? Logicamente, um infeliz natal para você! Falam eles, com a esperança de que no próximo ano, inverterão essa triste expressão.
Mudar a vida de alguém é algo muito difícil, no entanto melhorar é mais que fácil, basta querer. Deixar o amor tomar conta de nossos corações, dando adeus para o egoísmo, irá com certeza dar um realce no natal daqueles que choram angustiados, por quererem participar dignamente da chegada do papai noel. Essa data precisa ser realmente especial, onde todos, cem por cento da humanidade possam sorrir, marcando em seus corações o símbolo da alegria e fartura. Para isso ocorrer, a ganância e paixão desvairada do homem pelo dinheiro, precisa também dar seu adeus, deixando em contrapartida, o amor ao próximo e respeito pelos sentimentos alheios, pois do contrário continuará na boca de muitos injustiçados, a expressão: um infeliz natal!

Douglas S. Nogueira
Técnico de Manutenção na Arcelor Mittal Piracicaba e Integrante da Associações Literárias Barbarense e Piracicabanas – ACIBEL e CLIP
BLOG: www.douglassnogueira.blogspot.com
E-mail: douglas_snogueira@yahoo.com.br

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA