A VIDA SÉRIA NOS FAZ SORRIR COM OS RESULTADOS.

265

Juarez Alvarenga

 

 

            A vida é como uma tourada. Devemos a todo instante desviar do touro.E só conseguimos domar as investidas se tivermos muitos preparados. Sacrificar o touro acaba nos roubando do desejo maior e divertido de sermos mais astuto e brilhante do que as investidas instintivas proporcionadas pelo animal. Deixar vivo nos faz também permanece vivo e atento às mutações abruptas que nossas existências podem dar.

            Não somos nós que escolhemos o touro e neste jogo devemos ter alternativas de defesas existenciais. Não existe tourada padrão e as investidas são diferenciadas nos fazendo aprimorar e preparar a cada dia sempre dentro do circo vivencial em constante processo evolutivo.

            Lembro quando adolescente assistia a sessão da tarde e derrotada na faculdade saia pelas ruas da metrópole e entrava no cinema, apreciava o filme “Horizonte Perdido”. Ao sair do cinema mim confrontava novamente com a realidade. Às 16 horas depois de duas horas de realidade adormecida submetia aos apitos das sirenes policiais. Este dualismo entre a leveza existencial provocada pelo filme Horizonte Perdido e o surrealismo das ruas da metrópole mim levava a conscientizar que irreal que apesar de  oposto do concreto é também real.

            Chegava na republica de estudante e numa estante improvisada via um colega, pobre estudante de medicina na federal varando a noite se preparando para as provas bimestrais. Num dia depois deste ritual noturno quando as primeiras lotações rodavam a cidade o meu colega foi assaltado pelos pivetes.  A vida marginal dos pivetes o deixou indefeso, e então compreendeu que na existência somos vulneráveis em algumas situações vivenciais. Só a preparação para sobrevivência é incompleta, precisamos adicionar e vislumbrar que a vida tem varias facetas. Instrumentalizar racionalmente apesar de ser uma parte substancial, mas não é integral. Olhar a existência no ângulo de 360 graus. Aprender acertar o alvo atirando e errando.

            Sabemos que nossos tributos naturais são diferenciados e ter a vida como matéria a ser absorvida nos faz entender em que determinadas áreas dão sobressaltos e em outras estagnamos ou retrocedemos. Sermos humildes para captar nossas imperfeições e ousado para exercer nossas virtudes nos fazem mais perto do perfeccionismo existencial. Muitas vezes a observação é melhor do que a execução.

            Hoje compreendo que aquele jovem estudante de medicina que varava a noite estudando conseguiu também varar o teto profissional. Devemos agredir a realidade cotidiana com toda nossa potencialidade, pois na vida não há dádivas e sim conquistas. E ela adora e premia aqueles destruidores de obstáculos e construtores de sonhos. A intensidade e a velocidade de nossas realizações depende de mantermos nossos sonhos anestesiados, porém sempre e vigia para entrar em ação.

            Devemos há todos instantes sacudir nossa monotonia rotineira. E só conseguimos isto com avanços de nossas utopias como trator sobre a realidade.

            Sacrificar para conquistar é o trajeto que devemos percorrer. Inserido em qualquer resultado positivo estão coletâneas de tentativas em vãos, até o acerto final.

            O que mim faz feliz é até hoje apreciar as manhãs como se fosse o aroma de café quente produzida na hora, e a façanha maior manter esta temperatura o dia todo, pois hoje compreendir que a vida séria nos faz sorrir com seus resultados.

 

 

E MAIL:juarezlalvarenga@ig.com.br

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA