AO PÉ DA LETRA

273

Por Geraldo J. Costa Jr.

O que leva um ser humano a acordar às 5 e meia da manhã de um domingo com esse versinho pegajoso na mente “Pro samba que você me convidou, com que roupa eu vou?” é coisa que nem os sábios frequentadores do Bar do Bolinha conseguem responder. Mas sem dúvida, é a letra bem humorada e sugestiva do sucesso de 1929 do genial Noel Rosa (1910-1937) – viveu só 26 anos, sortudo!
Bem, caro leitor, só há uma resposta possível para essa indagação: Pagar contas. O que para um redator pé na cova feito este que vos escreve significa ligar o computador às 5 e meia da manhã de um domingo para escrever 15 linhas, porque, inclusive, e esse é um assunto muito sério, há prazos a cumprir.
Enquanto me deparo com a tela em branco, observo que há vários tipos de letras os quais posso utilizar para transformar a ideia que ainda procuro em um texto que lhe agrade, ou ao menos o torne um assassino cruel e contumaz de 5 minutinhos de seu precioso tempo. Assim espero.
Bem, a ideia acaba de surgir. Antes que tivéssemos a comodidade que o editor de texto do Windows oferece com sua infinidade de letras e tamanhos, recurso também conhecido como Open Type, nós, reles escribas, nos sujeitávamos sem opção de escolha aos tipos da máquina de escrever. Parece que o ouvi dizer papiros, caro leitor. Ora, poupe-me, nem sou tão velho assim. Eu acho.
Titio Gutenberg fez a revolução no século XV e facilitou nossas vidas. Era o tempo em que cada tipo, umas peças de metal, correspondia a uma letra. Para formar palavras, havia um processo chamado composição, que consistia basicamente em juntar essas peças de metal, de tamanhos variados, formando palavras, frases, períodos, páginas… e jornais e livros e revistas, e … – chega! order Premarin online
Modificava-se, portanto, uma a uma a disposição das peças de metal, conforme a necessidade de formar palavras. Esse processo, conhecido como tipografia, perdurou por muito tempo, até idos de 1989-90, que eu me lembre, e era usual nas gráficas dos jornais de cidades do interior, em cujas redações, trabalhavam jovens metidos a besta feito eu, que imaginam poder mudar o mundo com ideias. E, não raro, esse processo demorado e operoso, era motivo de brigas homéricas entre jornalistas vaidosos que primavam pelo excesso de zelo para com os seus textos, escritos no calor da emoção e da necessidade. Buy Brand Viagra online order misoprostol
Apesar das vantagens do design gráfico, a tipografia, nada mais que o processo de criação física para dar estrutura e forma à comunicação escrita, sobrevive, embora pouco usual, em alguns estabelecimentos comerciais conhecidos como gráfica.
A ortografia esse termo pomposo e bonito, é o padrão para a forma escrita da palavra, e não existiria sem a letra, que, por sinal, é um substantivo feminino. Tinha de ser!
Letra, a representação gráfica do fonema. Símbolos que denotam parte da fala. Coube aos gregos, sempre eles, por volta de 800 aC, atribuir letras para as vogais, porque, até então, se bem entendi, só havia consoantes. Imagine um debate num tribunal do júri sem as vogais. Order Retin-A
Letras são indispensáveis à vida humana, mas podem dar uma confusão danada. É o que acontece quando algumas pessoas tentam interpretar os textos sagrados ao pé da letra. Cristãos e muçulmanos que o digam.
Podem gerar preocupação, como as letras de câmbio, quando não pagas no tempo devido. Por falar nisso…
O lado bom: letras formam palavras de amor, bonitas, fortes e verdadeiras que podem ser escritas e difundidas, e levar esclarecimento e esperança àqueles que não os possuem.
Não que esse texto tenha essa pretensão, mas já é um bom começo, espero. buy Lamisil
Ah, mais uma coisa: Alguém sabe onde fica o pé da letra?
Geraldo J. Costa Jr. é escritor, autor de A Tarde Demora a Passar e O Intermediário, pela editora Lexia, e Sob o Manto da Noite, pela editora Multifoco. Também escreve para sites, jornais e revistas. Blog do autor: http://www.passaaregua.blogspot.com/

order Indocin

COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA