O Antigo Hotel Pedro Stein (Stein)

383

O antigo Hotel Pedro Stein (Stein) localiza-se na rua quatro, esquina da avenida oito (antigas Ruas Formosa e Luiz de Camões).Construído no século XIX, de propriedade do comerciante Pedro Stein, o hotel foi inaugurado em 1870. O prédio, muito bem conservado, de valor arquitetônico ambiental, principalmente histórico-cultural, possui amplo porão habitável, envasaduras com vergas retas e cimalha; porta de duas folhas almofadadas; janelas de correr em ferro; cobertura três águas, telha francesa, cimalha e platibanda.

Antiga residência da Família Stein junto ao Hotel

Pedro Stein, alemão, natural de Hochstaden, na Baviera, foi casado com D. Margarida Waigand; o casal teve seis filhos: Theodoro casado com D. Babette Fehr; D. Margarida casada em segundas núpcias com José Joaquim Ribeiro; D. Anna com Manoel Margarido Prata; Pedro Júnior; Jorge e Emílio.A Família Stein residiu em casa anexa ao hotel, imóvel que conserva as mesmas linhas arquitetônicas da época em que construído: entrada lateral com porão, envasaduras com vergas em arco abatido; janelas de vidraça de abrir com bandeira e escuro; na cobertura cimalha e platibanda ornamentada; alpendre com lambrequins e portão de ferro.

No início da década de dez, do século XX, o hotel foi administrado pelo comerciante português Francisco Pereira Lopes da Costa, casado em primeiras núpcias com D. Margarida Stein, sem descendência.

D. Luiza Edwiges Weiss Stein
Pedro Stein Júnior

O afamado Hotel dispunha de confortáveis quartos com macias camas de armação em ferro; elegantes salas para reuniões; além de requintado restaurante, onde eram servidos vinhos Chateau Latour; Victoria, XX, Reino de Portugal e Collares (branco); cognacs Martell, 1868 e Ruthley; champanha Veuve Clicquot Ponsardin; licor Marraschino; rum da Jamaica; cerveja alemã de Calrsberg, Guines e União; água mineral Appolonius e Caxambu; charutos; Partagas, Bismark, 1012, Rouquet e Príncipe; marmelada inglesa Red e Black; doces Jam e Jely; atum francês; salmão; camarão; salame de Lyon; salsichas de Cambridge e de Oxford; figos do Algarve e uva Moscatel do Douro. Os produtos da “Atkinsons”, fabricados na “Old Bond Street”, perfumavam os diferentes ambientes.

Documento expedido pela firma da Família Stein
Documento expedido pela firma da Família Stein

As roupas eram lavadas com sabão de Marselha.Em frente ao hotel, Pedro Júnior mantinha estabelecimento comercial especializado em finas mercadorias de procedência estrangeira (posteriormente a firma admitiu novos sócios; então, “Casa Vermelha” – de Stein & Pesce).Àquela época, quase que diariamente, destacadas personalidades rioclarenses reuniam-se nas dependências do hotel. Em 1905, em um desses bate-papos, foi proposta a criação de um asilo que atendesse “morpheticos” pobres da cidade. Estavam presentes Pedro Stein Junior, Antonio Witzel, Joaquim Corrêa Ribeiro, Domingos Padula e João Portz. Encampada a idéia pelas demais autoridades locais, em 14 de maio de 1911 foi inaugurado o “Hospital dos Lázaros” (situava-se defronte o Largo de São Roque, atual Escola Municipal “Dr. Paulo Koelle”).

Interior do Hotel Stein vendo-se extenso corredor
Interior do Hotel Stein vendo-se extenso corredor

Havia também hóspedes residentes que trabalhavam na cidade, como o italiano José Pasquenucci. Pedro Stein Netto (filho de Pedro Júnior e de D. Luiza Edwiges Weiss), casado com sua prima irmã D. Margarida Ribeiro Stein, abriu concorrido “Botequim-Restaurante” na Estação Ferroviária de Rio Claro. Concessionário dos vagões restaurantes da Cia. Paulista, oferecia aos passageiros verdadeiras iguarias. Acometido por grave enfermidade, seus negócios foram administrados pelo irmão Emílio Pedro.Faleceu Pedro Netto, em 1955, prematuramente, aos quarenta e nove anos de idade, na sua residência, de neoplasia do esôfago, assistido pelo Dr. Dirceu Ferreira Penteado.Na atualidade, o edifício do Hotel Stein, com a mesma destinação para qual fora construído, teve apenas as janelas originais de sua fachada alteradas; foram substituídas as venezianas e vidraças de guilhotina com venezianas internas por janelas de correr em ferro, permanecendo as antigas vergas.

Fachada do antigo Hotel Pedro Stein (Stein)
Fachada do antigo Hotel Pedro Stein (Stein)

 

 

 

Por Anselmo Ap. Selingardi Jr. | Perito Judicial em Arqueologia e Documentação Histórica


COMPARTILHAR

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA